Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 62 Número 3




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Feo-hifomiose por Cladosporium bantianum (Xylohyphabantiana) Registro de um caso em transplantada renal


EDWARD PORTO1, LUIZ CARLOS CUCÉ2, CARLOS DA SILVA LACAZ3, ALBERTO SALEBIAN4, MÍRIAM MARQUES DE MORAIS5

1Micologista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo - Faculdade de Medicina da USP
2Professor Assistente Doutor da Faculdade de Medicina da USP - Clínica Dermatológica do Hospital das Clínicas da FMUSP
3Chefe dos Laboratórios de Mitologia Médica do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo e L.I.M. nº 53, do Hospital das Clínicas-Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Pesquisador do CNPQ
4Micologista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo - Faculdade de Medicina e da Clínica Dermatológica do Hospital das Clínicas da FMUSP
5Médica-Residente da Clínica Dermatológica do Hospital das Clínicas da FMUSP

Trabalho realizado na clínica Dermatológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Serviço do Prof. Sebastião de Almeida Prado Sampaio), Laboratório de Mitologia Médica do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo e Laboratório de Investigação Médica n° 53 do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Correspondência:
Endereço do autor Carlos da Silva Lacaz Rua José Maria Lisboa, 558 - 5° andar 01423 - São Paulo - SP

 

Resumo

Os autores registram caso de feo-hifomicose ulcerogomosa em transplantada renal. O diagnóstico histopatológico foi o de feo-hifomicose subcutânea e o fungo demácio isolado identificado como Cladosporium bantianum (Saccardo, 1912) Borelli, 1960 (= Xylo­hypha bantiana).

No presente caso o hifomíceto demonstrou dermotropismo acentuado e sua identificação foi baseada em caracteres macromicro­morfológicos, ao lado de algumas provas bioquímicas e de termotolerância. A cura do processo foi cirúrgica após remoção da lesão, restando após um ano processo cicatricial evidente.

Os autores fazem comentários sobre a raridade do caso do ponto de vista clínico e mitológico, analisando a feo-hifomicose em seus aspectos clínicos e etiológicos.

Palavras-chave: FEO-HIFOMICOSE

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações