Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 59 Número 2




Voltar ao sumário

 

Artigo Original

Aspectos microbiológicos dos espaços interdigitais dos pés; II Microbiota aeróbia potencialmente patogênica nas lesões interdigitais dos pés.


TÂNIA LUDIMILA DE ASSIS 1, LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA 2, ABSALOM LIMA FILGUEIRA 3, GILNEY ASSAD DE MATTOS4

1Doutora em Medicina, Professora Adjunta da Faculdade de Medicina da UFRJ.
2Doutor em Microbiologia; Professor Adjunto do Instituto de Microbiologia da UFRJ e da Faculdade de Ciências Médicas da UERJ.
3Livre-Docente e Doutor em Dermatologia.Professor-Adjunto da Faculdade de Medicina da UFRJ.
4Estagiário do Instituto de Microbiologia da UFRJ

Trabalho realizado no Curso de Pós-Graduação em Dermatologia (Coordenador:- Prof. R. D. Azulay). Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina, UFRJ, Hospital Universitário e Instituto de Microbiologia da UFRJ, com auxílio financeiro da FINEP.

Correspondência:
Serviço de Dermatologia Hospital Universitário - UFRJ Cidade Universitária - Ilha do Fundão 21910 - Rio de Janeiro - RJ.

 

Resumo

Utilizando métodos laboratoriais rotineiros para identificação de fungos e de bactérias aeróbicas, os autores procuraram determinar a incidência desses microorganismos potencialmente patogênicos nas lesões intertriginosas dos pés e também nos espaços interdigitais normais, porém adjacentes aos lesados. Chamam a atenção para a elevada freqüência com que Staphylococcus aureus e bastonetes Gram negativos (Pseudomonas aeruginosa e enterobactérias) foram isolados quando comparados com os fungos (dermatófitos e Candida e com os difteróides fluorescentes. Sugerem que cocos Gram-positivos e bastonetes Gram-negativos devam também estar envolvidos nos mecanismos etiopatogênicos do “pé-de-atleta”.

Palavras-chave: PÉS, FLORA AERÓBICA.

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações