Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 58 Número 5




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Tratamento do lupo eritematoso discóide pelo etretinato

TRATAMENT OF DISCOID LUPUS ERYTHEMATOSUS WITH ETRETINATE


CID F. LOPES1, H. MILAGRES CARVALHO2, R. LINHARES3, M. PAULA CÂNDIDO3

1Chefe da II Clínica Dermatológica da Santa Casa de Misericórdia e Professor-Adjunto dos Cursos de Pós-Graduação de Dermatologia da Faculdade de Medicina da UFMG.
2Assitente Efetivo da II Clínica Dermatológica
3Assistente Voluntário da II Clínica Dermatológica

*Proporcionado por F. Hoffmann-La Roche Co., de Basiléia, Suiça, Nome comercial na Europa: TIGASON Trabalho da II Clínica Dermatológica da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte - MG.

 

Resumo

A concidência e uma portadora de psoríase, em tratamento com etresinato apresentar também duas lesões evolutivas de lupo eritematoso discóide e essas se mostrarem em completa regressão ao fim do tratamento daquela dermatose, levou os autores e tentar o emprego do citado retinóide no lupo discóide. Foram observados cinco doentes, um homem de cor preta e quatro mulheres brancas, todos acima de 35 anos. Três casos benignos, com poucas lesões, um com número maior de lesões e o último era grave com várias e extensas lesões na face e couro cabeludo. Todos com diagnóstico histológico e já tratados anteriormente. O medicamento usado foi o entretinato (Ro / 10.9359), derivado aromático do ácido retinóico ou tretinoína (Ro 10.9359), derivado aromático do ácido retinóico ou tretinoína (também chamada de vit. A. ácida), administrado por via oral na dose de 75 mg/dia, em cápsulas de 25 m. Essa dose era reduzida para 50 ou 25 mg/dia quando os efeitos colaterais da droga tornavam-se incômodos ao paciente. Houve nítida modificação para melhor nas lesões, tornando-se menos inflamadas, com aréola de pigmentação, desaparecimento de escamas de hiperceratose pontuada diminuição do eritema e já sem vaicosidades capilares. As lesões tornaram-se lisas ao toque dando impressão de regressão. Todavia esse aspecto estacionou e somente duas pacientes mostraram regressão completa, comprovada pela histologia vem os sinais do lupo discóide. Os autores admitem que doses mais elevadas possam trazer melhor resultado, caso os efeitos colaterais, da droga o permitam Sugerem que tal ensaio deva prosseguir com maior número de observações.

Palavras-chave: ETRETINATO, TRETINOÍNA, LUPUS ERITEMATOSO DISCÓIDE, PSORÍASE

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações