Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

39

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

39

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 58 Número 1




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Contribuição ao estudo de “ides” nas mãos em casos de dermatoficea pedis

CONTRIBUTION TO THE STUDY OF HANDS “IDS” ERUPTION IN CASES OF TINEA PEDIS


NURIMAR C.F. WANKE1, BODO WANKE2

1Professora-Adjunta de Dermatologia - Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro -Hospital Universitário
2Pesquisador Associado do Departamento de Micologia – FIOCRUZ

 

Resumo

Para determinar a casuística de “ides” em pacientes, apresentando simultaneamente lesões sugestivas de "ides" em mãos e dermatofitose em pés, realizamos investigação durante treze meses consecutivos na Clínica Dermatológica da Policlínica Geral do Rio de Janeiro. Em 100 pacientes completamos o estudo seguindo o esquema: a) exame micológico das lesões das mãos e pés. b) teste da tricofitina. c) terapêutica com griseofulvina oral, além de clotrimazole e miconazole tópicos e cuidados profiláticos durante quarenta e cinco dias. d)avaliação no final do tratamento e posteriormente durante cento e oitenta dias. 21% dos casos eram verdadeiras “ides”; predominantes no sexo masculino, não relacionadas com a atividade profissional e estações do ano. A dermatofitose era inflamatória e o teste da tricofitina mostrou positividade com pápula de cinco a dez milímetros. O _Trichophyton mentagrophytes_ foi o dermatófito mais encontrado nos pés, sendo também isolado o _Trichophyton rubrum_. Quanto aos demais casos, em 13% foi comprovada dermatofitose em mãos: em 32% foi observada regressão dos quadros dos pés e mãos, embora não se tratassem de ides e, em 34%, não houve resposta terapêutica. O estudo realizado enfatiza a necessidade de se apurar o diagnóstico correto através de exames dermatológico e laboratorial criteriosos.

Palavras-chave: “IDES”*, DERMATOFÍCEA PEDIS, TINHA DOS PÉS

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações