Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

1

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

1

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 58 Número 1




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Tricomicose axilar: isolamento e caracterização de “difteróides”

TRICHOMYCOSIS AXILLARIS: ISOLATION AND CHARACTERIZATION OF DIPHTHEROIDS


LUIZ CARLOS D. FORMIGA1, TERESA CRISTINA M. MALBURG2, TÂNIA LUDMILA DE ASSIS3

1Doutor em Ciências (Microbiologia) - Professor-Adjunto da FCM/UERJ e Instituto de Microbiologia da UFRJ
2Biomédica (especialista em Microbiologia e Imunologia - UERJ)
3Doutor em Medicina (Dermatologia) - Professor-Adjunto da Faculdade de Medicina da UFRJ

*Trabalho do Serviço de Microbiologia e Imunologia da Faculdade de Ciências Médicas da UERJ - Serviço de Dermatologia da Faculdade de Medicina da UFRJ.*

Correspondência:
Faculdade de Ciências Médicas - UERJ Serviço de Microbiologia e Imunologia Rua Prof. Manuel de Abreu, 48 20550 - Rio de Janeiro-RJ

 

Resumo

Foi realizado estudo bacteriológica, a partir de diversos pêlos infectados, obtidos de ambas as axilas, de um paciente portador da variedade amarela da tricomicose axilar. Resultados demonstraram que difteróides fluorescentes podem ser isolados em associação aos não fluorescentes. Os bacilos fluorescentes apresentam características semelhantes ou idênticas às daqueles isolados de casos de eritrasma dos espaços interdigitais dos pés. Com o apoio nos caracteres morfotintoriais, bioquímicos e sorológicos, podemos classificar os microorganismos, isolados dos pêlos infectados, no gênero Corynebacterium. Nossos resultados indicam que responsabilizar um único agente pelo quadro da tricomicose axilar não é ainda prudente.

Palavras-chave: ERITRASMA, DIFTERÓIDES, TRICOMICOSE AXILAR, BACTERIOLOGIA

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações