Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 78 Número 3




Voltar ao sumário

 

Artigo de revisão

Imunoprofilaxia anti-herpética utilizando vírus geneticamente modificado: vacina DISC

Antiherpetic immunoprophylaxy with genetically modified virus: DISC vaccine


OMAR LUPI DA ROSA SANTOS1

1Pós-Doutorado em Imunodermatologia e Biologia Molecular pela University of Texas. Mestre e Doutor em Dermatologia pela UFRJ. Licenciado da UFRJ e UNIG.

Recebido em 13.08.2001. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 17.04.2002. Trabalho realizado no Sealy Center for Vaccine Development. University of Texas Medical Branch (UTMB) at Galveston/ Texas - USA.

Correspondência:
Omar Lupi University of Texas Medical Branch (UTMB) - Sealy Center for Vaccine Development 301 University Boulevard - Mary Moody Northern Pavilion, Room 3.206 Galveston/TX Zip Code: 77555-0436 - USA Tel: +1-409-747-8153 Fax: +1-409-747-8150 "E-mail":omrosasa@utmb.edu "E-mail":lupiomar@hotmail.com

 

Resumo

As vacinas anti-herpéticas podem atuar de forma profilática ou terapêutica contra a infecção pelo herpes simples. Diversos tipos de vacinas foram avaliados no passado com resultados pouco efetivos, tais como aquelas que utilizaram vírus vivos, porém atenuados, e as que utilizaram subunidades glicoprotéicas. As novas vacinas do tipo DISC, com partículas infectivas incapacitadas para mais de um ciclo replicativo, são desenhadas para combinar a segurança e as vantagens das vacinas que utilizam vírus atenuados com a imunogenicidade das que usam vírus vivos. Nas vacinas DISC utiliza-se um vírus cujo gene para a glicoproteína H foi removido. Torna-se, assim, capaz de infectar células humanas, exatamente como o vírus natural, mas sua progênie não pode mais completar o ciclo replicativo. São partículas virais não patogênicas, capazes de induzir ampla resposta de linfócitos T citotóxicos e da imunidade humoral contra antígenos herpéticos.

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações