Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

25

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

25

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 25 Número 3




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Considerações sobre um caso de Dermatite Liquenóide Purpúrica Pigmentada


LUIZ MARINO BECHELLI1, BENJAMIN ZILBERBERG1, LUIZ BAPTISTA1

1Assistente do Serviço da Cátedra de Dermatologia e Sifilografia da Universidade de Medicina da Universidade de São Paulo - Hospital da Clínicas- (Chefe: Prof. J. Aguiar. Pupo)

Trabalho apresentado na Secção de Dermatologia da Associação Paulista de Medicina em Setembro de 1947

Correspondência:
Endereço do primeiro dos autores: Rua Artur Azevedo, 566 São Paulo

 

Resumo

Após reverem a literatura sobre a dermatite liquenóide purpúrica pigmentada de Gougerot e Blum, os autores apresentam a observação de um caso visto no Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina. Trata-se de paciente, com 28 anos de idade, brasileiro, branco, balconista, que, há um ano, após ter estado acamado por 8 dias com "gripe", apresentou erupção cutânea no terço inferior da perna esquerda. Ao exame dermatológico foram observadas algumas placas purpúricas, numulares e lenticulares, que pareciam resultar da confluência de elementos papulosos, acuminados, liquenóides, brilhantes, pouco maiores do que uma cabeça de alfinete. As lesões são ligeiramente descamantes e consistentes. Áreas atróficas, esbranquiçadas e pequenas, e situadas de permêio com as lesões purpúricas. Elementos purpúricos papulosos isolados, são encontrados, também, fora dessas placas. Ao exame histológico, intensa capilarite, com discretos infiltrados perivasculares, atrofia epitelial e, na derme, disseminação de ferro, proveniente da hemossiderose. Dosagem de vitamina C - 0,0g por 100 ml. Plaquetas - 260.000. Tempo de sangria e de coagulação, normais. Os autores tecem comentários sobre a sintomatologia, histopatologia e diagnóstico diferencial do caso, não tendo conseguido determinar a sua etiologia. Foi tentada a terapêutica pela rutina, não tendo chegado à conclusão por haver o doente deixado o hospital. Chamam a atenção para a raridade da dermatite, não ultrapassando de duas dezenas o total de casos até agora descritos na literatura. A cauística da mesma seria diminuída pelo fato de os doentes não apresentarem manifestações subjetivas e porque a dermatose tem evolução favorável, curando-se espontâneamente.

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações