Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 23 Número 4




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Novo antígeno para o sôro - diagnóstico da sífilis


S. FIQUENE 1, B. L. DE MORAES2

1Diretor do Instituto Osvaldo Cruz do Maranhão.
2Assistente do Instituto Osvaldo Cruz do Maranhão.

 

Resumo

No diagnóstico sorológico da lues a reação de Wassermann ainda ocupa lugar de destaque, apesar de sua técnica relativamente complicada e difícil, o mais das vêzes impraticável nos pequenos laboratórios de pesquisas clínicas. Além disso, frequentemente se depara com sôros dotados de propriedades anti­complementares ou de excessiva quantidade de hemolisina natural anti-car­neiro (em nossa experiência mais de 1% dos sôros examinados). Para obviar a êsses inconvenientes muitas outras reações têm sido propostas, sem contudo resistirem à crítica. Entre as mais frequentemente praticadas, graças a seus resultados dignos de confiança, sobressaem atualmente as provas de Kahn e de Kline. Esta úl­tima, pela inconstância do antígeno existente no mercado brasileiro, o qual muitas vêzes fornece emulsões grosseiras, parece estar destinada a sair da prática diária dos laboratórios. A reação de Kahn é a que, provadamente, melhores resultados tem oferecido ao diagnóstico. Sua técnica, porém, não é das mais simples e requer aparelhagem especializada. Levados pelas dificuldades da última guerra mundial e baseados em apre­ciável experiência, aqui apresentamos aos médicos e laboratoristas uma prova de técnica bastante simplificada e de resultados muito seguros na sífilis. Em nossas estatísticas ela se tem revelado sensivelmente comparável à reação de Wassermann, levemente mais sensível que a de Kahn e inteira­mente superior à de Kline.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações