Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 23 Número 4




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Estudos das intradermo-reações 2-4 dinitroclrorobenzeno e pela lepromina


RUBEM D. AZULAY1

1Docente-livre na Faculdade Fluminense de Medicina Chefe do Laboratório do Serviço Nacional de Lepra.

*Trabalho da Secção de Epidemiologia (Chefe: Dr. João Batista Risi) do Serviço Nacional de Lepra (Diretor: Dr. Ernani Agrícola).*

 

Resumo

A fim de confirmar os trabalhos de alguns autores argentinos (1-2-3), que descreveram uma reação com o 2-4 dinitroclorobenzeno tendo o mesmo valor da reação lepromínica, resolvemos repetir essa experiência. Realizamos reações intradérmicas com 3 soluções: acetona, 2-4 dinitroclorobenzeno em acetona (1/1.000) e o mesmo composto em solução aquosa (1/1.000). Foram realizadas reações em 185 pacientes (105 lepromatosos, 32 tuberculói¬des, 17 incaracterísticos e 46 sadios). Todos foram submetidos à prova lepromínica para contrôle. Não obtivemos os mesmos resultados daqueles autores argentinos. Em solução aquosa o 2-4 dinitroclorobenzeno não deu nenhuma reação positiva (precoce e tardia). A solução acetônica do 2-4 dinitroclorobenzeno e a acetona deram o mesmo tipo de reação (necrose) tanto nos lepromino-negativos como nos lepromino-positivos. Na nossa opinião, o 2-4 dinitroclorobenzeno não tem valor como indicador da reatividade específica, em lepra.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações