Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 20 Número 1




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Contribuição ao estudo das piodermites crônicas vegetantes

CONTRIBUTION TO THE STUDY OF CHRONIC VEGETATIVE PYODERMIA


DR. HUMBERTO CERRUTI

Apresentado nas sessões de 30 de maio de 1.944 da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro e de 21 de fevereiro de 1.945 da Seção de Dermatologia e Sifilografia da Associação Paulista de Medicina

Correspondência:
Banjamin Constant, 77-8º (S. Paulo)

 

Resumo

O autor, justificando o seu trabalho, evidencia as grandes dificuldades que se deparam pelo estudo do argumento, principalmente no que concerne não só ao grande polimorfismo das formas mórbidas, como também à sua étio¬patogênia. Após ligeiro histórico lembra as numerosas denominações que fo¬ram dadas à piodermite crônica vegetante, enumerando 35 delas. Faz minu¬cioso estudo sôbre as diversas classificações propostas, citando, entre muitas, sete das mais importantes. O autor, baseado na lesão primitiva elementar pela qual a dermatose se origina e que lhe condiciona a variedade, propõe a seguinte classificação: a) - piodermite pustulosa vegetante (tipo Hallopeau) b) - piodermite papulosa vegetante (tipo Azua) c) - piodermite papilomatosa vegetante (tipo Gougerot) d) - piodermite granulomatosa vegetante (tipo Truffi-Artom) . Passa em revista minuciosamente os caraterísticos clínicos e histopatoló¬gicos de cada um dos quatro tipos propostos, justificando-lhes a razão de ser e relacionando-os com os principais casos descritos pelos diversos autores pre¬cedentes. Quanto ao diagnóstico diferencial, estuda-o em relação à tuber¬culose, à leishmaniose, ao granuloma paracoccidióidico, à esporotricose, à cro¬moblastomicose, à sífilis, à bouba. ao carcinoma, ao bromoderma, ao iododer¬ma, ao pênfigo vegetante e a algumas formas residuais do pênfigo foliáceo tro¬pical. Após exaustivo estudo sôbre a etiologia da moléstia assim conclui: a etiologia piogênica preponderantemente estafilocócica é a dominante, a ponto de considerá-la como sendo a regra. No que concerne à patogenese, entre as muitas hipóteses emitidas, detem-se de modo espcial sôbre a bacteriana e a imunológica, lembrando que a plêiade de estudos sôbre a exteriorizaçáo dos fenômenos imunitários tegumentares concluíram ser póssível, ou melhor, freqüente, não só a modificação da virulência dos germes'''' determinada pela imunidade, como também a correspondência existente entre a atividade patogénica do agente casual e o aparecimento e a intensidade dos fenômenos imunitários tegumentares, o que; em última análise, evidencia um anel de conjugação que une com caracteres de interdependência os dois fenômenos, e que induz, portanto, a atenuar o contraste existente entre as duas teorias citadas. Finaliza com rápido bosquejo sôbre o prognóstico e a terapêutica das Piodermites crônicas vegetantes

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações