Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 78 Número 6




Voltar ao sumário

 

Investigação

Lúpus eritematoso cutâneo crônico: estudo de 290 pacientes

Chronic cutaneous Lupus erythematosus: study of 290 patients


THAIS HELENA PROENÇA DE FREITAS1, NELSON GUIMARÃES PROENÇA2

1Professora-assistente da disciplina de dermatologia do Departamento de Clínica Médica da Santa Casa de São Paulo.
2Professor pleno de dermatologia e ex-titular da Clínica de Dermatologia da Santa Casa de São Paulo.

Recebido em 11.03.2003. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 17.09.2003. Trabalho realizado na Clinica de Dermatologia do Hospital da Sta Casa de Misericórdia de SP.

Correspondência:
Thaís Helena Proença de Freitas Rua Morás 782 - apto. 62 São Paulo SP 05434-020 Tel/Fax: (11) 223-0501 "E-mail":thais_proenca@hotmail.com

 

Resumo

*Fundamento:* Lúpus eritematoso cutâneo crônico é uma doença inflamatória crônica relativamente freqüente, mas pouco estudada entre nós. *Objetivo:* Caracterizar epidemiologia e clínica de pacientes com lúpus eritematoso cutâneo crônico, visando comparar dados obtidos com literatura mundial. *Pacientes e Métodos:* Foram estudados retrospectivamente 290 pacientes com lúpus eritematoso cutâneo crônico no período de 1982 a 1996, na Clínica de Dermatologia da Santa Casa de São Paulo. *Resultados:* A média de idade da instalação da doença foi de 32,3 anos, houve predomínio do sexo feminino em relação ao masculino (3,4:1), a maior parte dos pacientes teve lesões localizadas no segmento cefálico (58,3%). Quanto às variedades clínicas, houve predomínio da placa discóide típica em 90,4% dos casos, seguida das variantes verrucosa ou hipertrófica (7,9%), lúpus eritematso pérnio (1,4%), e túmida (0,3%). Lesões em mucosas ou epitélios de transição ocorreram em 27,2% dos pacientes. *Conclusões:* Lúpus eritematoso cutâneo crônico é doença mais comum em mulher adulta, sendo a placa discóide típica a lesão mais comum. Lesões mucosas ocorreram em aproximadamente em um quarto dos casos.

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações