Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 83 Número 5




Voltar ao sumário

 

Investigação

Fototerapia na doença enxerto contra hospedeiro

Phototherapy in the graft versus host disease


Ida Duarte1, Paula Voltarelli2, Rosana Lazzarini3, Roberta Buense Bedrikow3

1Professora adjunta da Faculdade de Ciência Médicas da Santa Casa de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil.
2Estagiária do primeiro ano de dermatologia da Clínica de Dermatologia da Santa Casa de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil.
3Assistente da Clínica de Dermatologia da Santa Casa de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil.

Recebido em 05.11.2007. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 03.10.2008. * Trabalho realizado em clínica particular – São Paulo - (SP) Conflito de interesse: Nenhum Suporte financeiro: Nenhum Como citar este artigo: Duarte I, Voltarelli P, Lazzarini R, Bedrikow RB. Fototerapia na doença enxerto contra hospedeiro.

Correspondência:
Ida Duarte Rua Diana 820 /151 São Paulo , SP 05019 000 Tel.:/fax: 11 38714018.

 

Resumo

FUNDAMENTOS – A doença enxerto contra hospedeiro é um dos obstáculos ao sucesso do transplante de medula óssea, e o envolvimento cutâneo é freqüente. A fototerapia é utilizada devido à intensa atividade imunomoduladora local, sendo opção terapêutica adjuvante para as lesões cutâneas resistentes à terapia convencional. OBJETIVO – Realizar análise descritiva do tratamento da doença enxerto contra hospedeiro com fototerapia (Puva ou UVB de faixa estreita). MÉTODOS – Foram atendidos nove pacientes com manifestação cutânea da doença enxerto contra hospedeiro aguda ou crônica. Seis foram tratados com Puva, terapia de primeira escolha, e três com UVB de faixa estreita. As sessões foram realizadas três vezes por semana, e a resposta terapêutica avaliada após 12 sessões. RESULTADOS – Todos os pacientes com doença enxerto contra hospedeiro aguda mostraram melhora, com desaparecimento do eritema e do edema. Naqueles com doença crônica, observaram-se involução das lesões liquenóides e melhora da mobilidade daqueles com a forma esclerodermiforme. Dois pacientes apresentaram doença de evolução grave e foram a óbito. CONCLUSÃO – A fototerapia mostrou-se efetiva no tratamento das manifestações cutâneas da doença enxerto contra hospedeiro aguda e crônica. A Puva permite o controle da doença, podendo a UVB de faixa estreita ser opção para pacientes impossibilitados de usar medicação sistêmica.

Palavras-chave: DOENÇA ENXERTO-HOSPEDEIRO, FOTOTERAPIA, RAIOS ULTRAVIOLETA, TERAPIA PUVA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações