Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 84 Número 4




Voltar ao sumário

 

Artigo de revisão

Infecções por papilomavírus sexualmente transmitida: epidemiologia, patogênese, clínica, morfologia, aspectos importantes do diagnóstico diferencial, diagnóstico atual e opções de tratamento

Sexually transmitted papillomavirus infections: epidemiology pathogenesis, clinic, morphology, important differential diagnostic aspects, current diagnostic and treatment options *


Georgi Tchernev1

1MD, PhD. Department of Dermatology, Venereology and Dermatosurgery VOP/MVZ Kirchheim, Germany.

Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 27.01.09. * Study carried out at Department of Dermatology, Venereology and Dermatosurgery VOP/MVZ Kirchheim, Germany. Conflict of interest: None Financial Funding: None Como citar este artigo: Tchernev G. Sexually transmitted papillomavirus infections: epidemiology, pathogenesis, clinic, morphology, important differential diagnostic aspects, current diagnostic and treatment options. An Bras Dermatol. 2009;84(4):377-89.

Correspondência:
Georgi Tchernev Department of Dermatology, Venereology and Dermatosurgery VOP/MVZ Kirchheim. Steingaustrasse 13. 7230 Kirchheim /Teck, Germany Email: georgi_tchernev@yahoo.de Tel./fax: 0049 70219300-220 0049 70219300-221

 

Resumo

A família de papiloma vírus humano (HPV) compreende mais de 100 genótipos. Aproximadamente 30 dos genótipos são responsáveis pelas infecções na área anogenital em humanos. Não dispomos no momento de um algoritmo precisamente definido tendo como meta o diagnóstico e a remoção de HPV por períodos de tempo prolongados ou indefinidos, nem para proteção do paciente contra transformação maligna. A identificação das cepas de HPV por PCR ou hibridização de DNA em tecido lesional oferece maior segurança para os pacientes. Em pacientes de alto risco realiza-se ainda colposcopia, rectoscopia e uretroscopia/ cistoscopia, aumentando a probabilidade do diagnóstico correto e a aplicação de estratégia terapêutica confiável. A remoção das lesões por meio de métodos invasivos, como a eletrodissecção, criocirurgia, e/ou terapia com laser, pode ser bem sucedida e combinada no pré e no pós-operatório com a aplicação local de toxina podofílica, ácido tricloroacético, gel de epinefrina 5-fluorouracil, imiquimod, cidofovir ou interferon. A administração da vacina em pacientes jovens é capaz de previnir as manifestações clínicas das cepas virais mais frequentes, que são HPV-6, -11 e -18. Os diferentes métodos terapêuticos devem ser aplicados de acordo com o quadro clínico, levando em consideração o estado de saúde geral do paciente, a presença de doenças concomitantes, assim como a compatibilidade local e sistêmica dos efeitos adversos em cada remédio. A revisão foca o diagnóstico e as opções de tratamento de infecções por HPV sexualmente transmitidas e inclui uma sinopse da literatura mais recente no que diz respeito aos dados de epidemiologia, patogênese, diagnóstico diferencial e morfologia de infecções por HPV em humanos.

Palavras-chave: DOENÇA DE BOWEN, INTERFERONS, PAPILOMA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações