Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número 2




Voltar ao sumário

 

Investigação

A precocidade diagnóstica do melanoma cutâneo: uma observação no sul do Brasil *

Early diagnosis of cutaneous melanoma: an observation in southern Brazil *


Raquel Bonfá1, Renan Rangel Bonamigo2, Rafael Bonfá3, Kauê Marcolin Duro3, Roque Domingos Furian4, Alice de Medeiros Zelmanowicz5

1Médico; residente de Dermatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brasil.
2Doutor; professor adjunto do Departamento de Medicina Interna, disciplina de Dermatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA); chefe do Serviço de Dermatologia; supervisor da Residência em Dermatologia e professor do curso de pós-graduação em Patologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brasil.
3Médico dermatologista; colaborador do Serviço de Dermatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brasil.
4Médico patologista; professor de Patologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA); responsável pela Residência em Patologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA); patologista do Complexo Hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre – Porto Alegre (RS), Brasil.
5Doutora; médica oncologista do Complexo Hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre; coordenadora do Centro de Prevenção de Câncer e Registro de Câncer de Base Hospitalar do Hospital Santa Rita, Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre – Porto Alegre (RS), Brasil.

Recebido em 14.06.2009. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 04.07.10. * Trabalho realizado na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) - Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Interna/Dermatologia - Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre - Hospital Santa Rita - Laboratório de Patologia – Porto Alegre (RS), Brasil. Conflito de interesse: Nenhum / Conflict of interest: None Suporte financeiro / Financial funding: Auxílio financeiro por meio de bolsa de iniciação científica proporcionada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs), durante 12 meses

Correspondência:
Raquel Bonfá Dr. Timóteo, 450/601 – Floresta 90570-040 Porto Alegre - RS E-mail: raqbonfa@gmail.com

 

Resumo

FUNDAMENTOS: A incidência do melanoma cutâneo e as taxas de mortalidade a ele associadas estão crescendo na maioria dos países do mundo. OBJETIVO: Descrever as características histopatológicas do melanoma cutâneo, segundo critérios do Grupo Brasileiro de Melanoma, e avaliar a precocidade diagnóstica em hospital de referência do sul do Brasil para o atendimento de melanoma. MÉTODOS: Estudo transversal com casos de melanoma cutâneo primário reconhecidos após biópsia excisional, processados no laboratório de Patologia do Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre entre 1º/1/2000 e 15/1/2005. Outras variáveis analisadas: idade, sexo, topografia da lesão, subtipos histopatológicos, índice Breslow, fase de crescimento, índice de Clark, índice mitótico, infiltrado inflamatório linfocitário peritumoral e intratumoral, invasão angiolinfática e perineural, presença de úlcera e regressão, tipo de regressão, satelitose microscópica e margens cirúrgicas. RESULTADOS: Incluídos 328 casos, sendo 57% mulheres e 43% homens, com média de idade de 55,63 anos. A localização foi preferencialmente nos membros inferiores (29,26%) e superiores (23,94%) nas mulheres. Nos homens, predominou no dorso (35%) e no tórax anterior/abdome (14,29%) (p<0,05). Os subtipos histológicos se apresentaram com as seguintes frequências: espalhamento superficial (62,8%), lentigo maligno (14,9%), nodular (14,6%), acral (7,3%) e desmoplásico (0,3%). Quanto ao Breslow: 26,2% dos casos eram in situ, 36,9% eram =1mm, enquanto apenas 15,9% apresentavam mais de 4mm de profundidade. CONCLUSÃO: A distribuição dos subtipos histológicos e o nível de profundidade (Breslow) foram semelhantes aos encontrados em estudos anteriores em população de base não hospitalar. O perfil dos casos de melanoma cutâneo avaliados em hospital terciário parece estar se modificando nas últimas duas décadas, com tendência a diagnósticos mais precoces, atualmente.

Palavras-chave: DIAGNÓSTICO PRECOCE, EPIDEMIOLOGIA, FATORES DE RISCO, MELANOMA, NEOPLASIAS CUTÂNEAS

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações