Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número 2




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Úlcera de Marjolin associada a ulceração e osteomielite crônicas *

Marjolin’s ulcer associated with ulceration and chronic osteomyelitis *


Ermelindo Tavares1, Gonçalo Martinho2, José Alberto Dores3, Frederico Vera-Cruz4, Luís Ferreira5

1Interno do internato complementar de dermatologia e venereologia do Hospital de Santarém – Santarém, Portugal.
2Interno do internato complementar de ortopedia e traumatologia do Hospital de Santarém – Santarém, Portugal.
3Assistente graduado de dermatologia e venereologia do Hospital de Santarém – Santarém, Portugal.
4Interno do internato complementar de cirurgia geral do Hospital de Santarém – Santarém, Portugal.
5Assistente graduado de cirurgia geral do Hospital de Santarém – Santarém, Portugal.

Recebido em 25.11.2009. Approved by the Advisory Board and accepted for publication on 07.05.10. * Trabalho realizado no Hospital de Santarém, Distrito de Santarém, Portugal. Conflict of interest: None / Conflito de interesse: Nenhum Financial funding: None / Suporte financeiro: Nenhum

Correspondência:
Dr Ermelindo Tavares Rua Alexandre Herculano, Nº 26, 2º direito 2005-188 Santarém, Portugal e-mail: tavares.ermelindo@gmail.com

 

Resumo

Doente do sexo masculino, de 78 anos, portador de uma úlcera venosa crônica na perna esquerda, com cerca de 24 anos de evolução, complicada por carcinoma espinocelular. Após o estadiamento da doença, o tratamento preconizado foi amputação acima do joelho esquerdo. A úlcera de Marjolin é a transformação maligna de uma lesão ulcerosa crônica. Trata-se de um fenômeno relativamente raro. A neoplasia maligna mais frequentemente descrita na literatura é o carcinoma espinocelular, seguido do basalioma, sarcoma e melanoma. A sua patogenia permanece pouco compreendida.

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações