Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número 4




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Hemangioma infantil tratado com propranolol

Propranolol treatment for hemangioma of infancy


Flavia Kakiuti Bonini1, Fernanda Silva Bellodi1, Elemir Macedo Souza2

1Residente de dermatologia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) – Campinas (SP), Brasil.
2Doutor em Dermatologia - Professor associado livre docente da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) – Campinas (SP), Brasil

Recebido em 15.06.2010. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 15.07.2010. * Trabalho realizado na: Disciplina de Dermatologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) – Campinas (SP), Brasil. Conflito de interesse: Nenhum Suporte financeiro: Nenhum Como citar este artigo: Bonini FK, Bellodi FS, Souza EM. Hemangioma infantil tratado com propranolol. An Bras Dermatol. 2011;86(4):763-6.

Correspondência:
Flavia Kakiuti Bonini Rua Dr. Miranda de Azevedo, 1085 - Apto 161. 05027-000 Perdizes – São Paulo – SP. E-mail: flabonini@gmail.com

 

Resumo

O hemangioma infantil é o tumor mais comum da infância, com grande variabilidade de apresentação clínica. A maioria das lesões regride espontaneamente e o tratamento está indicado para casos específicos que possam gerar ulceração, disfunção ou desfiguração. O tratamento baseia-se, principal- mente, no uso de corticosteroides, seja por via sistêmica, tópica ou intralesional. Recentemente, o propranolol foi descrito como nova opção terapêutica para os hemangiomas, com resultados satisfatórios, permanentes e menos efeitos indesejáveis que os corticosteroides. É relatado o caso de uma criança com hemangioma periorbital e frontoparietal extenso, tratado com propranolol.

Palavras-chave: CORTICOSTERÓIDES, HEMANGIOMA, ORBITA, PROPANOLOL

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações