Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número S1




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Miliária ‘rash’ após neutropenia febril e quimioterapia de indução para a leucemia mielóide aguda

Miliaria-rash after neutropenic fever and induction chemotherapy for acute myelogenous leukemia


Tuyet A. Nguyen1, Alex G. Ortega-Loayza1, Michael P. Stevens2

Correspondência:
Alex G Ortega-Loayza 1250 East Marshall Street Richmond, VA 23298 - United States E-mail: aortegaloayza2@mcvh-vcu.edu

 

Resumo

Miliária é uma desordem das glândulas sudoríparas écrinas, que ocorre em condições de aumento de calor e umidade. Miliária pode ser associada com estados febris persistentes bem como com certos medicamentos. Apresentamos o caso de uma mulher de 40 anos com síndrome mielodisplásica e progressão para leucemia mielóide aguda que foi admitida no hospital para quimioterapia de indução. A paciente foi tratada com idarrubicina e citarabina. Ela se tornou pancitopênica e desenvolveu neutropenia febril. Iniciou tratamento com vancomicina e cefepime, mas a febre com sudorese noturna continou. Cinco dias depois a paciente desenvolveu vesículas difusas, não pruríticas e frágeis juntamente com a persistência de sudorese noturna. O exantema do paciente foi diagnosticado como Miliária cristalina, provavelmente induzida por neutropenia febril e exposição a idarubucin.

Palavras-chave: QUIMIOTERAPIA, CÂNCER, PERFUSÃO REGIONAL, ERUPÇÃO POR DROGA, TERAPIA MEDICAMENTOSA, IDARUBICINA, MILIÁRIA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações