Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número S1




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Sucesso terapêutico da terbinafina em um caso de esporotricose

Successful treatment of terbinafine in a case of sporotrichosis


Daiane Heidrich1, Cheila Denise Ottonelli Stopiglia2, Luciana Senter3, Gerson Vetoratto4, Patricia Valente5, Maria Lúcia Scroferneker6

1Graduação em Farmácia. Estudante de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciência Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Porto Alegre (RS), Brasil.
2Graduação em Farmácia, com ênfase em análises clínicas. Bolsista CAPES. Estudante de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Porto Alegre (RS), Brasil.
3Mestre em Microbiologia Agrícola e do Ambiente -Bolsista CAPES - Estudante de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Ambiente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Porto Alegre (RS), Brasil.
4Graduação em Medicina - Médico dermatologista do Complexo Hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre – Porto Alegre (RS), Brasil.
5Doutorado em Ciências Biológicas (Genética) - Professora associada do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia, docente do Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Ambiente e do Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Porto Alegre (RS), Brasil.
6Doutorado em Ciências Biológicas (Microbiologia e Imunologia) - Professora associada do Departamento de Microbiologia, docente do Programa de Pós- Graduação em Medicina: Ciência Médicas e regente da disciplina Imunologia Médica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Porto Alegre (RS), Brasil.

Recebido em 15.12.2010. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 22.1.11. * Trabalho realizado no: Laboratório de Fungos Patogênicos Humanos do Instituto de Ciências Básicas da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Porto Alegre (RS), Brasil. Conflito de interesse: Nenhum / Conflict of interest: None Suporte financeiro: / Financial funding: Os autores agradecem ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS) pelo apoio financeiro Como citar este artigo/How to cite this article: Heidrich D, Stopglia CDO, Senter L, Vetoratto G, Valente P, Scroferneker ML. Sucesso terapêutico da terbinafina em um caso de esporotricose. An Bras Dermatol. 2010;86(S1):S182-5.

Correspondência:
ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA / MAILING ADDRESS: Cheila Denise Ottonelli Stopiglia Rua Sarmento Leite, 500 Laboratório 210 – Centro 90050-170 Porto Alegre, RS E-mail: cheila.dos@gmail.com

 

Resumo

A esporotricose é uma infecção subaguda ou crônica, causada por fungos pertencentes ao Complexo Sporothrix. Relato do caso: esporotricose de localização nasal foi tratada com iodeto de potássio e como não se obteve sucesso, reiniciou-se o tratamento com associação de iodeto de potássio e itraconazol. Porém, ocorreu nova recidiva. As culturas dos exames micológicos foram submetidas a ensaios de atividade antifúngica in vitro para auxiliar no tratamento. A terbinafina foi o antifúngico que apresentou melhores resultados, por isso, o tratamento foi reiniciado com este antifúngico e, após dois anos do término do mesmo, não recidivou. Adicionalmente, ambas as culturas foram comparadas por RAPD, obtendo padrões de fragmentos distintos, indicando que os isolados são diferentes ou demonstrando um processo microevolutivo do microrganismo.

Palavras-chave: ANTIMICÓTICOS, ESPOROTRICOSE, MICOSES, SPOROTHRIX, TESTES DE SENSIBILIDADE A ANTIMICROBIANOS POR DISCO-DIFUSÃO, TESTES DE SENSIBILIDADE MICROBIANA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações