Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número S1




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Amiloidose macular de localização atípica


Bárbara Lima Araújo Melo1, Igor Santos Costa2, Clara de Assis Martins Goes3, Celina Aguiar Frota Tigre3, Nara Frota André4

1Médica dermatologista – Assistente do Centro de Dermatologia Dona Libânia – Fortaleza (CE), Brasil.
2Médico patologista – Preceptor da Residência em Dermatologia do Centro de Dermatologia Dona Libânia – Fortaleza (CE), Brasil.
3Médicas-residentes de Dermatologia do Centro de Dermatologia Dona Libânia – Fortaleza (CE), Brasil.
4Acadêmica de Medicina da Universidade Estadual do Ceará (UECE) – Fortaleza (CE), Brasil.

Recebido em 18.11.2010. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 21.12.2010. * Trabalho realizado no Centro de Dermatologia Dona Libânia – Fortaleza (CE), Brasil. Conflito de interesse: Nenhum Suporte financeiro: Nenhum Como citar este artigo: Melo BAL, Costa IS, Goes CAM, Tigre CAF, André NF. Amiloidose macular de localização atípica . An Bras Dermatol.2011;86(4 Supl 1):S24-7.

Correspondência:
Nara Frota André Rua Pedro I, 1.033 Centro Fortaleza (CE) – Brasil 60035 101 E-mail: nara_frota@yahoo.com.br

 

Resumo

A amiloidose macular é uma forma cutânea primária de amiloidose, caracterizada tipicamente por máculas acastanhadas, acometendo predominantemente a região interescapular. O presente caso é o de uma mulher de 45 anos, há um ano com manchas hipercrômicas, rendilhadas e não pruriginosas, em membros superiores, região cervical, sacral e membros inferiores. No estudo histopatológico da biópsia de pele, foi evidenciada substância amiloide amorfa no topo das papilas dérmicas, que se tornou mais evidente após a coloração pelo vermelho Congo. Não havia alterações sistêmicas associadas. Além da localização atípica e extensa da amiloidose cutânea macular, o presente caso procura acrescentar dados para esclarecimento do tema.

Palavras-chave: AMILOIDOSE, HIPERPIGMENTAÇÃO, VERMELHO CONGO

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações