Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número 5




Voltar ao sumário

 

Educação médica continuada

Lipoatrofia facial associada ao HIV/AIDS: do advento aos conhecimentos atuais

HIV-Associated facial lipoatrophy: from the advent to current knowledge


Flávia Machado Gonçalves Soares1, Izelda Maria Carvalho Costa2

1Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (UnB) - Médica da Secretaria de Saúde do Distrito Federal – Brasília (DF), Brasil.
2Doutora em Dermatologia pela Universidade de São Paulo (USP) – Professora- adjunta de Dermatologia da Universidade de Brasília (UnB) – Brasília (DF), Brasil.

Recebido em 12.11.2010. Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 28.11.2010. Trabalho realizado no Hospital Universitário de Brasília – Universidade de Brasília (HUB – UnB) – Brasília (DF), Brasil. Conflito de interesse: Nenhum Suporte financeiro: Nenhum Como citar este artigo: Soares FMG, Costa IMC. Lipoatrofia facial associada ao HIV/AIDS: do advento aos conhecimentos atuais. An Bras Dermatol. 2011;86(5):843-64.

Correspondência:
Flávia Machado Gonçalves Soares SHIS QI 27 conj 01 casa 07 Lago Sul 71675-010 Brasília-DF E-mail: flaviamachadosoares@gmail.com

 

Resumo

O advento da AIDS trouxe novos desafios para a Dermatologia. A terapia antirretroviral mudou drasticamente a morbimortalidade associada à infecção pelo HIV/AIDS, mas contribuiu para o surgimento de outras novas situações que exigem abordagem adequada do dermatologista. A Síndrome Lipodistrófica Associada ao HIV/AIDS tem origem multifatorial, mas está fortemente associada ao uso dos antirretrovirais. Compreende alterações na distribuição da gordura corporal, acompanhada ou não de alterações metabólicas. A perda da gordura da face, chamada lipoatrofia facial, é dos sinais mais estigmatizantes da síndrome. Esta condição, muitas vezes reveladora da doença, trouxe de volta o estigma da AIDS. É necessário que os especialistas que atuam com pacientes com HIV/AIDS identifiquem estas alterações e busquem opções de tratamento, dentre as quais se destaca o implante com polimetilmetacrilato, que é disponibilizado para tratamento da lipoatrofia facial associada ao HIV/AIDS no Sistema Único de Saúde.

Palavras-chave: HIV, POLIMETIL METACRILATO, PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS AMBULATÓRIOS, SÍNDROME DE LIPODISTROFIA ASSOCIADA AO HIV, TERAPÊUTICA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações