Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número 5




Voltar ao sumário

 

Investigação

Estudo da qualidade de vida nos pacientes com urticária crônica

Quality of life assessment in patients with chronic urticaria


Ana Paula Fusel de Ue1, Patrícia Karla de Souza2, Osmar Rotta3, Wellington de Jesus Furlani4, Amanda Rodrigues Miranda de Lima5, Dominique Sanda Oliveira Vilarinho Sabbag5

1estre em Dermatologia pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Colaboradora do Ambulatório de Dermatoses Imunoambientais/Urticária do Departamento de Dermatologia da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – São Paulo (SP), Brasil.
2Mestre em Dermatologia pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Colaboradora do Ambulatório de Dermatoses Imunoambientais/Urticária do Departamento de Dermatologia da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – São Paulo (SP), Brasil.
3Professor-doutor-associado da disciplina de Dermatologia Geral - Chefe do Departamento de Dermatologia da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – São Paulo (SP), Brasil.
4Médico dermatologista da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Colaborador do Ambulatório de Dermatoses Imunoambientais/Urticária do Departamento de Dermatologia da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – São Paulo (SP), Brasil.
5Médica dermatologista - Colaboradora do Ambulatório de Dermatoses Imunoambientais/Urticária do Departamento de Dermatologia da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – São Paulo (SP), Brasil.

Recebido em 27.06.2010. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 17.10.2010. * Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – São Paulo (SP), Brasil. Conflito de interesse: Nenhum Suporte financeiro: Nenhum Como citar este artigo: Ue APF, Souza PK, Rotta O, Furlani WJ, Lima ARM, Sabbag DSOV. Estudo da qualidade de vida nos pacientes com urticária crônica. An Bras Dermatol. 2011;86(5):897-904.

Correspondência:
Ana Paula Fusel de Ue Avenida Ana Costa, 311 - Cjto 84 - Gonzaga CEP 11060-001 Santos - SP E-mail: anapaulaue@hotmail.com

 

Resumo

FUNDAMENTOS: A urticária crônica compromete o doente por interferir nas atividades diárias, prejudicar a autoestima e as relações interpessoais. Os profissionais de saúde subestimam seu impacto na qualidade de vida dos doentes.
OBJETIVOS: Avaliar a qualidade de vida com questionário específico e genérico. Compará-la entre os tipos clínicos de urticária crônica e avaliar se o angioedema piora a qualidade de vida.
MÉTODOS: Participaram 62 doentes com urticária crônica, com sinais e sintomas da doença até 7 dias da consulta, que foram divididos em urticária crônica comum, urticária crônica física e urticária crônica mista.
RESULTADOS: Observou-se predominância de mulheres (72,6%), idade média de 39,8 anos, angioedema associado em 75,8% dos doentes. Apresentaram mais angioedema doentes com urticária crônica comum (p=0,011) e mulheres (p=0,024). Quanto aos tipos clínicos, 32,3% apresentaram urticária crônica comum, 27,4% urticária crônica física e 40,3% urticária crônica mista. O escore médio total do questionário específico foi 10,4. No questionário específico, os domínios mais comprometidos foram "Sintomas e sentimentos" e "Atividades diárias", e, no SF-36, "Aspectos físicos" e "Vitalidade". Houve comprometimento da qualidade de vida nas mulheres, nos doentes com até 30 anos, em primeira consulta, nos mais escolarizados, naqueles com até 1 ano de doença e naqueles com angioedema.
CONCLUSÕES: A urticária crônica compromete a qualidade de vida medida pelos questionários específico e genérico. Não houve diferença estatisticamente significante na qualidade de vida entre os tipos clínicos. A presença do angioedema conferiu pior qualidade de vida aos doentes. Houve correlação estatisticamente significante entre os escores do questionário específico e do questionário genérico.

Palavras-chave: ANGIOEDEMA, PERFIL DE IMPACTO DA DOENÇA, QUALIDADE DE VIDA, QUESTIONÁRIOS, URTICÁRIA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações