Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 86 Número 6




Voltar ao sumário

 

Revisão

Retalhos livres em dermatologia cirúrgica. Comparação entre os retalhos livres fasciocutâneos e miocutâneos nas reconstruções faciais

Free flaps in Surgical Dermatology. Comparison between fasciocutaneous and myocutaneous free flaps in facial reconstructions


Francisco Miguel Camacho-Martínez1

1

Correspondência:
Francisco Miguel Camacho-Martínez Departamento de Dermatología Hospital Universitario Virgen Macarena Avenida Dr.Fedriani , N º 3 41009 Sevilla E-mail: camachodp@medynet.com

 

Resumo

FUNDAMENTOS: Os cirurgiões dermatológicos habitualmente realizam retalhos pediculados cutâneos à distância, de padrão axial ou ao acaso, para reparar os defeitos faciais. Estes tipos de retalhos cutâneos requerem muito tempo para realizar-se e têm elevadas despesas econômicas, sociais e pessoais. Com a introdução da transferência em uma única etapa de retalhos livres ao local receptor, com anastomose microvascular, estes inconvenientes poderiam ser evitados.
OBJETIVO: Demonstrar que se obtêm melhores resultados com retalhos livres fasciocutâneos ou miocutâneos e qual deles é mais adequado em Dermatologia cirúrgica.
MATERIAL E MÉTODOS: Selecionamos dois pacientes, de sexos diferentes e idades similares, que haviam sido tratados com cirurgia de Mohs, para eliminar os tumores malignos recidivantes que se localizavam na parte superior das bochechas contatando com a zona zigomática. A mulher foi tratada com um retalho livre fasciocutâneo radial e o homem com um retalho livre do músculo reto do abdômen.
RESULTADOS: Ambos os pacientes tiveram excelentes períodos pós-operatórios imediatos. As complicações observadas no homem foram relacionadas a uma alteração pulmonar prévia. O retalho fasciocutâneo radial livre foi mais fácil de realizar do que o do reto do abdômen; não obstante, o retalho livre radial é muito fino e, embora lhe seja incluído tendão do palmar, não proporciona suficiente volume razão pela qual requer a introdução posterior de implantes. Em contrapartida, o retalho livre do reto do abdômen transfere um largo retalho que tem suficiente tecido grasso para poder engordar no futuro. Quanto aos resultados estéticos da zona doadora, o retalho do reto do abdômen produz melhores cicatrizes, já que os defeitos secundários da superfície palmar do antebraço não podem ser fechados diretamente e requerem habitualmente a aplicação de um enxerto; situação que alguns pacientes não aceitam.
CONCLUSÕES: Como sempre em Dermatologia cirúrgica, cada paciente e cada tumor, uma vez extirpado, tem sua própria técnica reconstrutiva. O retalho livre radial é adequado para pacientes magros que não se incomodam de cobrir seu antebraço com a camisa. O retalho do reto do abdômen é mais adequado para pacientes obesos com defeitos profundos e voluminosos, embora seja necessário deslocar o umbigo de sua posição original.

Palavras-chave: CIRURGIA DE MOHS, DESENVOLVIMENTO MUSCULAR, RETALHOS CIRÚRGICOS

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações