Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 87 Número 2




Voltar ao sumário

 

Investigação

Práticas comportamentais em mulheres atendidas em clínica de doenças sexualmente transmissíveis em Vitória, Brasil

Behavior assessment of women attending a sexually transmitted disease clinic in Vitória, Brazil*


Angelica Espinosa Miranda1, Alain Giami2, Jonathan E. Golub3, Sinesio Talhari4

Correspondência:
MAILING ADDRESS: Angelica Espinosa Miranda Avenida Marechal Campos, 1468, Maruipe 29040-091 Vitória, ES - Brazil E-mail: espinosa@ndi.ufes.br

 

Resumo

FUNDAMENTOS - Estudos sobre comportamentos sexuais de risco fornecem informações para programar estratégias para o controle da expansão da infecção pelo HIV/AIDS. OBJETIVO: Avaliar os comportamentos de risco sexual entre mulheres atendidas em clínica de doenças sexualmente transmissíveis em Vitória, Brazil. MÉTODOS: Estudo de corte-transversal foi realizado com mulheres atendidas no Centro de Referência para DST/Aids. As pacientes selecionadas foram entrevistadas e autorizaram a coleta de uma amostra de sangue para determinar sorologia para HIV. RESULTADOS: Um total de 276 mulheres participou, entre as 284 selecionadas; 109 (39,5%) eram HIV-positivas e 167 (60,5%) HIV-negativas. A mediana de idade foi 31 anos (distância interquartil 24-36) e 69% das mulheres tinham entre 18 e 34 anos de idade. As mulheres relataram alto grau de acesso a informações sobre doenças sexualmente transmissíveis (87%) e Aids (90%), mas as informações sobre saúde sexual foram menos comuns (55%). Mulheres HIV-positivas pediram a seus parceiros para usar preservativos mais comumente do que as HIV-negativas (31% vs. 5%, p=0,02), e relataram com maior frequência o uso do preservativo na ultima relação sexual (65% vs. 33%, p < 0,01). Entre todas as pacientes, questões sobre o risco da transmissão de HIV através da relação sexual (99,6%) e compartilhar agulhas durante uso de drogas (99,2%) foram mais frequentemente respondidas de forma correta, enquanto que questões relacionadas ao risco de HIV através da doação de sangue (57%) foi menor. CONCLUSÕES: Apesar desta população relatar fácil acesso aos serviços e informações sobre doenças sexualmente transmissíveis /Aids, a maioria relatou entendimento inadequado sobre comportamentos sexuais inseguros, particularmente as mulheres HIV-negativas.

Palavras-chave: ASSUNÇÃO DE RISCOS, COMPORTAMENTO REPRODUTIVO, DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS, FATORES DE RISCO, SAÚDE DA MULHER

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações