Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

27

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

27

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 87 Número 2




Voltar ao sumário

 

Revisão

Alergia de contato aos metais (cromo, cobalto e níquel) na infância

Contact sensitivity to metals (chromium, cobalt and nickel) in childhood *


Marilda Helena Toledo Brandão1, Bernardo Gontijo2

1Mestre – Médica dermatologista e pediatra no Hospital Infantil João Paulo II da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG) – Santa Efigênia (MG), Brasil.
2Doutor – Professor-associado de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – Belo Horizonte (MG), Brasil.

Recebido em 28.03.2011. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 20.06.2011. * Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC-UFMG) – Belo Horizonte (MG), Brasil. Suporte Financeiro: Nenhum Conflito Interesses: Nenhum Como citar este artigo: Brandão MHT, Gontijo B. Alergia de contato aos metais (cromo, cobalto e níquel) na infância. An Bras Dermatol. 2012;87(2):273-80.

Correspondência:
Bernardo Gontijo Rua Domingos Vieira, 300 cj 505 30150-240 Belo Horizonte – MG, Brazil E-mail: bernardogontijo@terra.com.br

 

Resumo

Os metais, especialmente o níquel, são os sensibilizantes de contato mais comuns em crianças. Dados recentes revelam aumento na incidência da alergia deste em países industrializados. A sensibilização pode ocorrer em qualquer idade, mesmo em recém-nascidos. Bijuterias, especialmente brincos nas orelhas, são ligadas ao aumento da sensibilização ao níquel. A sensibilização ao cobalto geralmente ocorre pelo uso de bijuterias. A fonte mais comum de sensibilização ao cromo é o couro. Devido à ausência de terapia específica, o principal tratamento consiste em identificar e evitar os alérgenos responsáveis. Este artigo pretende apresentar uma visão atualizada sobre os aspectos epidemiológicos e clínicos da alergia de contato aos metais, focando estratégias de prevenção e fatores de risco, além de alertar sobre as possíveis e novas fontes de contato.

Palavras-chave: COBALTO, CRIANÇA, CROMO, DERMATITE ALÉRGICA DE CONTATO, DERMATITE DE CONTATO, NÍQUEL

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações