Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 87 Número 4




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Úlcera de Lipschütz (ulcus vulvae acutum) - uma causa rara de lesão genital

Lipschütz ulcer (ulcus vulvae acutum) - a rare cause of genital lesion*


Ana Brinca1, Maria Miguel Canelas2, Maria João Carvalho3, Ricardo Vieira2, Américo Figueiredo4

1Médica - Interna de Dermatologia do Serviço de Dermatologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra – Coimbra, Portugal.
2Médica - Especialista em Dermatovenereologia do Serviço de Dermatologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra – Coimbra, Portugal.
3Médica - Interna de Ginecologia-Obstetrícia Hospitais da Universidade de Coimbra – Coimbra, Portugal.
4Prof. Doutor - Diretor de Serviço de Dermatologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra – Coimbra, Portugal.

Recebido em 25.07.2011. Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 18.09.2011. * Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra – Coimbra, Portugal. Conflito de interesse: Nenhum / Conflict of interest: None Suporte financeiro: Nenhum / Financial funding: None

Correspondência:
Ana Brinca Hospitais da Universidade de Coimbra Serviço de Dermatologia Praceta Dr. Mota Pinto 3000-075 Coimbra – Portugal.

 

Resumo

A Úlcera de Lipschütz, ou ulcus vulvae acutum, é uma entidade rara mas provavelmente subdiagnosticada, que se apresenta como úlcera vulvar aguda dolorosa numa mulher jovem. A etiologia é desconhecida embora relatos recentes a tenham associado à primo-infecção pelo vírus Epstein-Barr. O diagnóstico é estabelecido após exclusão de doenças sexualmente transmissíveis, causas autoimunes, traumáticas e outras etiologias de úlceras genitais. Relatamos o caso de uma jovem que desenvolveu quadro gripal e dolorosas úlceras genitais. Os exames complementares excluiram doenças sexualmente transmissíveis e as outras causas habituais de ulceração genital. As lesões cicatrizaram sem sequelas e sem recorrências. Este caso representa um diagnóstico diferencial importante e raro de ulceração genital.

Palavras-chave: DOENÇAS DOS GENITAIS FEMININOS, MONONUCLEOSE INFECCIOSA, ÚLCERA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações