Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 87 Número 4




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Avaliação in vitro da ação bactericida do laser de baixa potência (AsGa)

In vitro assessment of the bactericidal effect of low-power arsenium-gallium (AsGa) laser treatment*


Adilvania Ferreira da Costa1, Juvêncio César Lima de Assis2

1Mestre - Fisioterapeuta. Docente da disciplina de Fisioterapia Dermato-Funcional e Coordenadora do Curso de Bacharelado em Fisioterapia da Faculdade Santa Maria (FSM) – Cajazeiras (PB), Brasil.
2Graduando - Acadêmico do Curso de Bacharelado em Fisioterapia da Faculdade Santa Maria (FSM) – Cajazeiras (PB), Brasil.

Recebido em 30.06.2011. Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 30.01.2012. * Trabalho realizado no Laboratório de Microbiologia da Faculdade Santa Maria (FSM) – Cajazeiras (PB), Brasil. Conflito de Interesse: Nenhum / Conflict of interest: None Suporte Financeiro / Financial funding: Todos os equipamentos utilizados para o desenvolvimento da pesquisa foram fornecidos pela Faculdade Santa Maria.

Correspondência:
Adilvania Ferreira da Costa BR 230, Km 504 - Caixa Postal 30 58900-000 Cajazeiras, PB, Brazil Telephone/Fax: 55 83 3531-1365 E-mail: waniafisio@yahoo.com.br

 

Resumo

Verificar, in vitro, o efeito bactericida do laser de baixa potência, AsGa, 904nm, na dose 6 J/cm2. Foram semeadas 10 placas de Petri com a bactéria Pseudomonas aeruginosa e 10 placas de Petri com Staphylococcus aureus. Aleatoriamente, foram divididas em quatro grupos (5 placas cada): dois grupos foram tratados com o laser AsGa a cada 24 horas, durante cinco dias, e dois grupos não receberam tratamento. Em todos os grupos, não foi observado qualquer halo de inibição do crescimento. Assim, concluiuse que a terapia a laser (AsGa, 904nm, 6 J/cm²) não produziu efeito bactericida.

Palavras-chave: AGENTES ANTIBACTERIANOS, BACTÉRIAS, CRESCIMENTO BACTERIANO

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações