Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 87 Número 6




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Síndrome de Arlequim na infância - Relato de caso

Harlequin syndrome in childhood - Case report *


Mariana Hartmann1, Cristiano Firpo Freire2, Hiram Larangeira de Almeida Jr3

1Estudante de Medicina na Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) – Santa Cruz do Sul (RS), Brasil.
2Médico Neurologista Pediátrico - Professor de Dermatologia - Medicina Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) – Santa Cruz do Sul (RS), Brasil.
3Doutor em Dermatologia. - Professor do Curso de Medicina da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) – Pelotas (RS), Brasil.

Recebido em 03.08.2011. Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 07.12.2011. * Trabalho realizado na Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) – Santa Cruz do Sul (RS), Brasil. Suporte Financeiro: Nenhum. / Conflict of interest: None Conflito Interesses: Nenhum. / Financial funding: None

Correspondência:
MAILING ADDRESS: Juliano de Avelar Breunig Rua Borges de Medeiros, 300/806 - Centro 96810-130 Santa Cruz do Sul, RS E-mail: julianobreunig@gmail.com

 

Resumo

A Síndrome de Arlequim ocorre em apenas um lado da face. No metade afetada, a face não produz suor ou flushing, mesmo estimulada. Braços e tórax raramente podem ser afetados. Esta condição é geralmente induzida por calor, exercícios e fatores emocionais. O artigo relata um caso de uma menina de 9 anos de idade com uma história de 3 anos de flushing e sudorese unilaterais no rosto após exercícios e inclui uma revisão da literatura. Apesar da raridade desta síndrome, dermatologistas devem reconhecer esta condição e encaminhar estes pacientes a um exame oftalmológico e neurológico.

Palavras-chave: ERITEMA, HIPOIDROSE, PEDIATRIA, SÍNDROME

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações