Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 88 Número 2




Voltar ao sumário

 

Investigação

Portadores de Candida spp na cavidade oral: a sua prevalência em pacientes com diabetes mellitus tipo 2

Oral Candida spp carriers: its prevalence in patients with type 2 Diabetes Mellitus*


Ramon Felipe Fernandez Martinez1, Alejandra Jaimes-Aveldañez2, Francisco Hernández-Pérez2, Roberto Arenas3, Guadalupe Fabián-San Miguel4

Correspondência:
Ramon Felipe Fernandez Martinez Hospital General "Dr. Manuel Gea González". Sección de Micología. Calzada de Tlalpan # 4800, Col. Sección XVI. Delegación Tlalpan. C.P. 14080. México, D.F. E-mail address: ramfer2@hotmail.com

 

Resumo

FUNDAMENTOS: A prevalência de candidíase oral em pacientes diabéticos é de 13,7- 64%. A espécie mais frequentemente isolada é Candida albicans(75-86,5%). OBJETIVO: Obter a prevalência de portadores de Candida em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 para identificar as espécies da levedura. Desenho do estudo: Aberto, observacional, descritivo, transversal e prospectivo. MÉTODOS: Incluímos pacientes voluntários dentro da Maratona Nacional do Diabetes e realizamos medida da glicose sanguínea, teste sialométrico, coloração de Gram da citologia esfoliativa, cultura em ágar Sabouraud dextrose e CHROMagar Candida TM. Os resultados foram analisados com estatística descritiva. RESULTADOS: Foram examinados 141 pacientes (média de idade de 57 anos), 103 mulheres (73%) e 38 homens (26,9%). A citologia esfoliativa foi positiva em 32 casos (23 com lesão oral), 78 tinham lesão oral, mas não tinham Candida (93,9%). Candida foi isolado em 58 pacientes (41,1%), 21(45,6%) tiveram glicemia superior a 126 mg / dl e 37 (38,9%) tiveram glicemia inferior a 126 mg / dl. A espécie mais frequente foi C. albicans (82,7%). 42 portadores de Candida tinham fluxo salivar maior que 20 mm(72,4%) e 16(27,5%) tinham hiposalivação. Candida foi isolado em 25 de 79 pacientes com prótese dentária (31,6%), 9 de 15 fumantes (60%), e 22 de 71 com sintomas (30,9%). CONCLUSÕES: A prevalência de portadores de Candida oral em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 no México foi semelhante a outros países; citologia esfoliativa foi efetiva em encontrar Candida; fluxo salivar, uso de prótese, presença de lesão oral e sintomatologia foi semelhante em portadores de Candida oral e pacientes não portadores. A maioria dos fumantes eram portadores de Candida.

Palavras-chave: BOCA, CANDIDA, DIABETES MELLITUS TIPO 2, MÉXICO

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações