Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 88 Número 2




Voltar ao sumário

 

Artigo de revisão

O uso de lasers ablativos no tratamento do melasma facial

The use of ablative lasers in the treatment of facial melasma*


Orlando Oliveira de Morais1, Érica Freitas Lima Lemos2, Márcia Carolline dos Santos Sousa2, Ciro Martins Gomes3, Izelda Maria Carvalho Costa4, Carmen Déa Ribeiro de Paula5

1Médico - aluno do programa de Mestrado em Ciências da Saúde - Universidade de Brasilia (UnB) – Brasilia (DF), Brasil.
2Aluno do curso de Medicina - Universidade de Brasilia (UnB) – Brasilia (DF), Brasil.
3Médico - Preceptor em Dermatologia no programa de Residência - Universidade de Brasilia – Brasilia (DF), Brasil.
4PhD - Professor Adjunto de Dermatologia - Universidade de Brasilia – Brasilia (DF), Brasil.
5PhD - Preceptor em Dermatologia no programa de Residência - Universidade de Brasilia – Brasilia (DF), Brasil.

Correspondência:
Orlando Morais Hospital Universitário de Brasília (HUB - UnB) - Serviço de Dermatologia - SGAN 604/605. Avenida L2 Norte - Brasília 70910-900 - Distrito Federal - DF Brazil Phone/Fax: +55(61)99162339; 3448-5415. E-mail: orlando.unb@gmail.com

 

Resumo

O melasma representa desordem pigmentar de difícil tratamento. O presente estudo tem como propósito apresentar ampla revisão da literatura acerca do uso de laser ablativos (Er:YAG e CO2) no tratamento do melasma, estabelecendo o nível de evidência dos estudos publicados até o instante. Um total de 75 pacientes foram envolvidos entre quatro séries de casos (n=39), um ensaio clínico controlado (n=6) e um ensaio clínico controlado e randomizado (n=30). Os estudos acerca do laser de Er:YAG demonstraram melhores resultados com o uso de pulsos de forma quadrada, os quais determinaram menores taxas de hiperpigmentação pós-inflamatória. Ademais, os estudos com laser de CO2 também demonstraram benefício no uso de pulsos curtos com baixa densidade de energia. O uso de cremes despigmentantes no período pós-tratamento se mostrou necessária e efetiva na manutenção de resultados à longo prazo. Os lasers ablativos, por conseguinte, podem representar ferramenta efetiva e de grande utilidade no manejo do melasma. Entretanto, hiperpigmentação pós-inflamatória e dificuldade na manutenção de resultados à longo prazo parecem representar as principais limitações atuais ao seu amplo uso. Por conseguinte, com base nas atuais evidências, o uso de tais tecnologias ainda deve ser restrita à casos de doença recalcitrante. Novos estudos ainda são necessários para o estabelecimento de parâmetros e regimes ideais de tratamento.

Palavras-chave: DIÓXIDO DE CARBONO, ERBIO, LASERS DE GÁS, MELANOSE, TERAPIA A LASER

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações