Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 88 Número 3




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Infecção por Vibrio vulnificus no sul do Brasil - Relato de caso*

Vibrio vulnificus infection in Southern Brazil - Case report


João César Beenke França1, Sonia Mara Raboni2, Elise Sanfelice3, Diego Polido4, Arthur Gentili5, Fabricio Marques5

1Mestre; médico do serviço de Infectologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR) – Curitiba (PR), Brasil.
2Doutora; médica e professora do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR) – Curitiba (PR), Brasil.
3Residente de Hematologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR) – Curitiba (PR), Brasil.
4Residente da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP) – Ribeirão Preto (SP), Brasil.
5Residente de Patologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR) – Curitiba (PR), Brasil.

Recebido em 27.03.2012. Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 10.07.2012. * Trabalho realizado no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR) – Curitiba (PR), Brasil. Conflito Interesses: Nenhum Suporte Financeiro: Nenhum

Correspondência:
João César Beenke França Serviço de Infectologia. Hospital de Clínicas da UFPR. Rua General Carneiro, 181 - 3º andar 80.060-900 - Curitiba - PR | Brasil E-mail: jofranbk@yahoo.com.br

 

Resumo

Resumo: O gênero Vibrio é membro da família Vibrionaceae, e entre as espécies patogênicas, Vibrio vulnificus, bacilo gram negativo lactose positivo, tem sido frequentemente citado. Descrevemos o caso de um paciente masculino de 39 anos, em uso de medicação imunossupressora, admitido no hospital para transplante hepático. Doze horas após a internação, o paciente evoluiu com febre, mialgias, anúria e placas eritematosas em membros inferiores, com rápido crescimento e evolução proximal. O paciente foi tratado com ceftriaxona, meropenem e oxacilina sem melhora, evoluindo para óbito em 30 horas. Hemocultura mostrou crescimento de bacilo gram negativo posteriormente identificado como Vibrio vulnificus.

Palavras-chave: ALIMENTOS MARINHOS, DERMATOPATIAS, FRUTOS DO MAR, HOSPEDEIRO IMUNOCOMPROMETIDO, IMUNOSSUPRESSÃO, SEPSE

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações