Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 88 Número 3




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Poroqueratose genitoglútea - Relato de caso*

Genitogluteal porokeratosis - Case report


Flávia Regina Ferreira1, Priscila Pacheco Lessa2, Marcia Lanzoni de Alvarenga3

1Mestrado em Ciências pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-Unifesp). Professora-assistente III da disciplina de Dermatologia do Departamento de Medicina da Universidade de Taubaté (Unitau) – Taubaté (SP), Brasil.
2Residência em Clínica Médica pela Universidade de Taubaté (Unitau). Estagiária do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário de Taubaté da Universidade de Taubaté (HUT-Unitau) – Taubaté (SP), Brasil.
3Especialista em Patologia. Professora-assistente I da disciplina de Patologia do Departamento de Medicina da Universidade de Taubaté (Unitau) – Taubaté (SP), Brasil.

Recebido em 24.04.2012. Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 29.05.2012. * Trabalho realizado no Hospital Universitário de Taubaté da Universidade de Taubaté (HUT-Unitau) – Taubaté (SP), Brasil. Conflito Interesses: Nenhum Suporte Financeiro: Nenhum Como citar este artigo: Ferreira FR, Lessa PP, Alvarenga ML. Poroqueratose genitoglútea – relato de caso. An Bras Dermatol. 2013;88(3):444-6.

Correspondência:
Flávia Regina Ferreira Avenida Granadeiro Guimarães, 270 - Centro 12020-130 - Taubaté – SP, Brasil E-mail: dermagica@uol.com.br

 

Resumo

Relata-se o caso de um paciente com diagnóstico de poroqueratose genitoglútea, uma desordem da queratinização epidérmica, cuja localização exclusiva é extremamente rara, sendo muitas vezes tardia ou erroneamente diagnosticada. A histopatologia demonstra a clássica lamela cornóide, de grande valia para elucidação diagnóstica. Ressalta-se a importância do conhecimento desta entidade pelo especialista como diagnóstico diferencial entre as afecções genitais de evolução arrastada e de difícil tratamento.

Palavras-chave: GENITÁLIA, NÁDEGAS, PARACERATOSE, POROCERATOSE

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações