Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 88 Número 4




Voltar ao sumário

 

Investigação

Prevalência e fatores associados à exposição solar no sul do Brasil: um estudo de base populacional

Prevalence of sun exposure and its associated factors in southern Brazil: a population-based study*


Rodrigo Pereira Duquia1, Ana Maria Baptista Menezes2, Hiram Larangeira de Almeida Jr3, Felipe Fossati Reichert4, Iná da Silva dos Santos5, Ricardo Lanzetta Haack5, Bernardo Lessa Horta5

Correspondência:
MAILING ADDRESS: Rodrigo Pereira Duquia Álvaro Alvim, 169, 1104 CEP: 90420-020 - Porto Alegre - RS Brazil E-mail: rodrigoduquia@gmail.com

 

Resumo

FUNDAMENTOS: A exposição solar é responsável por um grande número de doenças. OBJETIVOS: Nós estimamos a prevalência e fatores associados à exposição solar em adultos do sul do Brasil em um estudo transversal de base populacional. MÉTODOS: Uma amostra representativa de indivíduos com idade = 20 anos (n=3,136). A exposição solar foi avaliada no lazer e durante o trabalho. O período de investigação foi de dezembro de 2004 a março de 2005, compreendendo os 120 dias de maior intensidade solar. Os participantes foram questionados sobre exposição solar por pelo menos 20 minutos entre as 10 as 16 hs. A análise foi estraificada por sexo e a exposição solar foi agrupada em 5 categorias. RESULTADOS: Entre os 3,136 participantes, a prevalência de exposição solar na praia foi de 32.8% (IC95% 30.3 - 35.2) e 26.3% (IC95% 24.2 - 28.3) entre homens e mulheres, respectivamente. A prevalência de exposição no trabalho foi de 39.8% (IC95% 37.2 - 42.4) entre homens e 10.5% (IC95% 9.1 - 12.0) entre mulheres. A idade esteve inversamente associada à exposição solar. Renda familiar e escolaridade estiveram positivamente associadas à exposição solar durante o lazer e inversamente associada durante o trabalho. A cor de pele auto referida não esteve associada. O conhecimento de qualquer amigo ou parente que tenha sido acometido por um câncer de pele esteve positivamente associado à exposição solar apenas entre os homens durante o trabalho. CONCLUSÕES: Apesar das campanhas advertindo sobre os perigos do sol, nós encontramos uma alta prevalência desse desfecho nos períodos de maior intensidade solar.

Palavras-chave: BANHO DE SOL, LESÕES PRÉ-CANCEROSAS, MEIO AMBIENTE E SAÚDE PÚBLICA, NEOPLASIAS CUTÂNEAS, PRÁTICA DE SAÚDE PÚBLICA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações