Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 88 Número 4




Voltar ao sumário

 

Revisão

Revisão: dermatite herpetiforme

Review: dermatitis herpetiformis*


Fernanda Berti Rocha Mendes1, Adaucto Hissa-Elian2, Marilda Aparecida Milanez Morgado de Abreu3, Virgínica Scaff Gonçalves1

Correspondência:
MAILING ADDRESS: Fernanda Berti Rocha Mendes Rua Inhambu, 902 ap 112 04520-013 - São Paulo - SP Brazil Email: fer_mendes@hotmail.com

 

Resumo

Dermatite herpetiforme é uma doença bolhosa crônica caracterizada por intenso prurido e sensação de queimação em pápulas eritematosas e placas urticariformes, vesículas agrupadas com crescimento centrífugo e bolhas tensas. Apresenta associação com genótipos de HLA DR3, HLA DQW2 encontrados em 80 a 90% dos casos. É uma doença cutânea mediada por IgA com depósito de imunoglobulina A em padrão granular no topo da papila dérmica na área da sublâmina densa na zona da membrana basal, presente tanto na pele lesada com em área de pele sã. A mesma cadeia J da proteína IgA1 é encontrada na mucosa do intestino delgado em pacientes com doença celíaca do adulto, sugerindo forte associação com a dermatite herpetiforme. Anticorpos específicos com anti-endomísio, anti-reculina, anti-gliadina, e recentemente identificado, o subtipo transglutaminase epidérmica e tecidual, assim como a produção aumentada da zonulina, são descritas em ambas as afecções enteropatia sensível ao glúten e a deramtite herpetiforme. Exibe depósitos de IgA em padrão granular na papila dérmica. Doenças auto-imunes exibem maior prevalência como tireoidopatia em 5 a 11%, anemia perniciosa em 1 a 3%, diabetes tipo 1 em 1 a 2% e doença do colágeno. O tratamento de escolha é a dapsona e dieta isenta de glútem.

Palavras-chave: DERMATITE HERPETIFORME, DERMATOPATIAS VESICULOBOLHOSAS, DOENÇA CELÍACA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações