Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 88 Número 6




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Perfil clínico-epidemiológico do vitiligo na criança e no adolescente*

Clinical epidemiological profile of vitiligo in children and adolescents*


Flauberto de Sousa Marinho1; Pablo Vitoriano Cirino2; Nurimar C. Fernandes3

1. Médico residente do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (HUCFF-UFRJ) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil
2. Médico do curso de especialização em Dermatologia do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (HUCFF-UFRJ) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil
3. Professor-associado do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (HUCFF-UFRJ) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Recebido em 22.10.2012.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 04.01.2013.
Suporte Financeiro: Nenhum. / Financial Support: None.
Conflito Interesses: Nenhum. / Conflict of Interests: None.
Como citar este artigo/How to cite this article: Marinho FS, Cirino PV, Fernandes NC. Perfil clínico-epidemiológico do vitiligo na criança e no adolescente. An Bras Dermatol. 2013;88(6):1026-8.

Correspondência:
Flauberto de Sousa Marinho
Rua Alzira Brandão número 170, Apto. 201. Tijuca
20550-035 - Rio de Janeiro - RJ. Brasil
E-mail: flaubertom@yahoo.com.br

 

Resumo

Noventa e quatro crianças e 25 adolescentes, sendo 42% do sexo masculino e 58% do sexo feminino, com faixa etária predominante entre seis e 10 anos de idade (40%) e forma clínica prevalente de vitiligo generalizado (34%) foram estudados no Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira da UFRJ no período de 2005 a 2011. Embora a resposta clínica fosse semelhante entre as modalidades terapêuticas, optamos, na rotina, pelo corticoide tópico de baixa e alta potência. O nevo halo foi encontrado em sete (5,9%) casos. Dos 30 (25%) pacientes submetidos à avaliação especializada, 18 (60%) referiram alguma situação psicológica relevante.

Palavras-chave: Adolescente; Criança; Epidemiologia; Vitiligo

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações