Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

12

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

12

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 89 Número 2




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Microscopia eletrônica de varredura da tinea nigra*

Scanning electron microscopy of tinea nigra*


Isabelle Maffei Guarenti1; Hiram Larangeira de Almeida Jr2; Aline Hatzenberger Leitão3; Nara Moreira Rocha4; Ricardo Marques e Silva5

1. Universidade Católica de Pelotas (UCPel) - Pelotas (RS), Brasil
2. Universidade Federal de Pelotas (UFPel) - Pelotas (RS), Brasil
3. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) - Porto Alegre (RS), Brasil
4. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA CPA-CT) - Pelotas (RS), Brasil

Recebido em 15.05.2013.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 20.07.2013.
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Guarenti IM, Almeida Jr HL, Leitão AH, Moreira Rocha N, Marques e Silva R. Microscopia eletrônica de varredura da tinea nigra. An Bras Dermatol. 2014;89(2):339-41.

Correspondência:

Hiram Larangeira de Almeida Jr
Duque de Caxias, 250
96030-000 -Pelotas - RS Brasil
E-mail: hiramalmeidajr@hotmail.com

 

Resumo

A tinea nigra é uma rara micose superficial causada pelo fungo Hortaea werneckii. Esta infecção apresenta-se como mancha assintomática acastanhada ou enegrecida, mais frequentemente na região palmoplantar. Foi realizada microscopia eletrônica de varredura de um shaving superficial de lesão de tinea nigra. A superfície externa da amostra demonstrou a epiderme com corneócitos e hifas e a eliminação de filamentos fúngicos. A superfície interna mostrou agregação importante de hifas entre os queratinócitos, o que formou pequenas colônias fúngicas. Os achados ultraestruturais correlacionam-se aos do exame dermatoscópico, sendo as espículas negras, visualizadas à dermatoscopia, prováveis pequenos agrupamentos fúngicos. Foi possível ainda documentar o modo de disseminação da tinea nigra, demonstrando como as hifas são eliminadas na superfície da lesão.

Palavras-chave: Dermatomicoses; Fungos; Infecções bacterianas e micoses; Micoses; Microscopia eletrônica de varredura

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações