Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

4

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

4

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 89 Número 3




Voltar ao sumário

 

Educação médica continuada

Hanseníase: revisão dos aspectos laboratoriais e terapêuticos - Parte 2*

Leprosy: a review of laboratory and therapeutic aspects - Part 2*


Joel Carlos Lastória1; Marilda Aparecida Milanez Morgado de Abreu2

1. Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) - Botucatu (SP), Brasil
2. Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) - Presidente Prudente (SP), Brasil

Recebido em 19.01.2013
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 15.04.20130
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Lastória JC, Morgado de Abreu MAM. Hanseníase: revisão dos aspectos laboratoriais e terapêuticos - Parte 2. An Bras Dermatol. 2014;89(3):389-403.

Correspondência:

Marilda Aparecida Milanez Morgado de Abreu
R. José Bongiovani, 1297 Cidade Universitária
19050-680 Presidente Prudente, SP
E-mail: marildaderma@bol.com.br

 

Resumo

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa crônica, causada pelo Mycobacterium leprae. É endêmica em várias regiões do mundo e um problema de saúde pública no Brasil. Apresenta amplo espectro de manifestações clínicas, as quais são dependentes da interação entre o M. leprae e o hospedeiro e estão intimamente relacionadas ao grau de imunidade do hospedeiro ao bacilo. O seu diagnóstico é clínico. Entretanto, em algumas situações, faz-se necessária a investigação laboratorial para a confirmação do diagnóstico da hanseníase ou classificação da forma clínica. Este artigo visa à atualização do dermatologista em hanseníase, através de uma revisão sobre as técnicas laboratoriais complementares que podem ser empregadas para o diagnóstico da doença, incluindo intradermorreação de Mitsuda, baciloscopia, histopatologia, sorologia, imuno-histoquímica, PCR, exames de imagem, eletroneuromiografia e testes sanguíneos. Além disso, faz-se uma explanação sobre os esquemas terapêuticos padronizados na multidrogaterapia, o tratamento das reações e dos casos resistentes, a imunoprofilaxia com a vacina do bacilo Calmette-Guérin (BCG) e a quimioprofilaxia.

Palavras-chave: Diagnóstico diferencial; Educação continuada; Evolução clínica; Hanseníase; Investigação laboratorial; Mycobacterium leprae; Prevenção de doenças transmissíveis; Prognóstico; Resistência a Medicamentos; Terapêutica

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações