Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 89 Número 3




Voltar ao sumário

 

Investigação

Melanoma cutâneo no estado de São Paulo: uma abordagem espacial*

Cutaneous melanoma in the State of São Paulo: a spatial approach*


Camila Trolez Amancio; Luiz Fernando Costa Nascimento

Universidade de Taubaté (Unitau) - Taubaté (SP), Brasil

Recebido em 02.08.2012.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 05.04.2013.
Suporte financeiro: nenhum
Conflito de interesses: nenhum
Como citar este artigo: Amancio CT, Nascimento LFC. Melanoma cutâneo no estado de São Paulo: uma abordagem espacial. 2014;89(3):442-6.

Correspondência:

Luiz Fernando Costa Nascimento
Av. Tiradentes, 500 - Bom Conselho
CEP: 12030-180 - Taubaté - SP Brasil
E-mail: luiz.nascimento@unitau.com.br

 

Resumo

FUNDAMENTOS: O melanoma cutâneo é um câncer de pele de baixa incidência, porém de elevada letalidade. Diversos fatores estão associados ao seu maior risco, como exposição excessiva ao sol, pele clara, história familiar, entre outros. Pouco se sabe sobre a distribuição espacial desse câncer no Brasil.
OBJETIVOS: Identificar, por meio de ferramentas geoestatísticas, aglomerados espaciais de municípios com base em suas incidências de melanoma cutâneo no estado de São Paulo.
MÉTODOS: Foi um estudo ecológico e exploratório com dados de casos novos obtidos pela Fundação Oncocentro no período de 1º de janeiro de 2006 a 31 de dezembro de 2011, separados por gênero. Foram obtidas as taxas por 100.000 habitantes e construídos mapas temáticos com as taxas (mapas de Moran e mapa de kernel), com o auxílio do programa TerraView.
RESULTADOS: Foram identificados 3.172 casos novos de melanoma cutâneo no período e verificadas maiores taxas nas regiões norte, noroeste, sudoeste e sudeste do estado. Os índices de Moran globais foram estatisticamente significativos (p < 0,05), sendo 0,12, 0,08 e 0,16, respectivamente, para os casos masculinos, femininos e total. Áreas como sudeste, norte e parte do noroeste paulista foram as que apresentaram alta prioridade de intervenção.
CONCLUSÃO: Foi possível identificar aglomerados espaciais de municípios com elevadas taxas de incidência de melanoma cutâneo no estado de São Paulo, servindo como importante subsídio para órgãos públicos de saúde.

Palavras-chave: Melanoma; Mortalidade; Sistemas de informação geográfica

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações