Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

35

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

35

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 89 Número 3




Voltar ao sumário

 

Revisão

Vitiligo - Parte 1*

Vitiligo - Part 1*


Roberto Gomes Tarlé1,2; Liliane Machado do Nascimento1; Marcelo Távora Mira1; Caio Cesar Silva de Castro1,2

1. Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) - Curitiba (PR), Brasil
2. Santa Casa de Misericórdia de Curitiba - Curitiba (PR), Brasil

Recebido em 25.02.2 013.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 25.05.2013.
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Tarlé RG, Nascimento LM, Mira MT, Silva de Castro CC. Vitiligo - Parte 1. An Bras Dermatol. 2014;89(3):461-71.

Correspondência:

Caio Cesar Silva de Castro
Praça Rui Barbosa, 245
80010-030 - Curitiba - PR Brasil
E-mail: caio.castro@pucpr.br

 

Resumo

O vitiligo é uma doença crônica estigmatizante, já conhecida há milênios, que afeta, principalmente, os melanócitos da camada basal da epiderme, causando lesões hipocrômicas e acrômicas. Estima-se que a enfermidade ocorra em aproximadamente 0,5% da população mundial. O envolvimento de fatores genéticos na suscetibilidade ao vitiligo vem sendo estudado ao longo das últimas décadas e os resultados dos estudos já realizados permitem considerar o vitiligo como uma doença complexa, multifatorial e poligênica. Neste contexto, certos genes, entre eles o XBP1, DDR1 e NLRP1, têm sido consistentemente associados funcionalmente à doença. Não obstante, fatores ambientais que precipitem ou mantenham a doença ainda não foram descritos. A etiopatogenia do vitiligo ainda não foi totalmente esclarecida e várias teorias têm sido propostas. Destas, a hipótese autoimune é hoje a mais citada e estudada entre os especialistas. Disfunções em vias metabólicas, que levariam à produção de metabólitos tóxicos e provocariam danos aos melanócitos, têm sido também investigadas. O déficit de adesão dos melanócitos em pacientes com vitiligo tem sido especulado principalmente através do aparecimento do fenômeno de Köebner. Recentemente, novos genes e proteínas envolvidas com este déficit têm sido encontrados.

Palavras-chave: Autoimunidade; Epidemiologia; Estudos de associação genética; Ligação genética; Vitiligo

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações