Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 89 Número 6




Voltar ao sumário

 

Investigação

Avaliação do remodelamento do terço inferior da face após tratamento da hipertrofia do masseter com toxina botulínica tipo A*

Lower facial remodeling with botulinum toxin type A for the treatment of masseter hypertrophy*


Fernanda Homem de Mello de Souza Klein1; Fabiane Mulinari Brenner2; Maurício Shigeru Sato2; Fernanda Manfron Batista Rosas Robert2; Karin Adriane Helmer2

1. Clínica particular - Criciúma (SC), Brasil
2. Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Curitiba (PR), Brasil

Recebido em 05.10.2013.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 07.12.2013.
Suporte Financeiro: A toxina botulínica tipo A utilizada foi doada pela Galderma
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Souza-Klein FHM, Mulinari-Brenner F, Sato MS, Rosas-Robert FMB, Helmer KA. Avaliação do remodelamento do terço inferior da face após tratamento da hipertrofia do masseter com toxina botulínica tipo A. An Bras Dermatol. 2014;89(6):878-84.

Correspondência:

Fernanda Homem de Mello de Souza Klein
Rua Cel Pedro Benedet, 488 1 andar sala 4
88801-250 - Criciúma - SC Brasil
E-mail: dra.fernandaklein@gmail.com

 

Resumo

FUNDAMENTOS: A hipertrofia do masseter tem sido tratada com injeções de toxina botulínica tipo A pela queixa estética, em especial, em asiáticos.
OBJETIVO: Avaliar a eficácia do uso de toxina abobotulínica para tratamento da hipertrofia do masseter em brasileiros.
MÉTODOS: Dez pacientes com hipertrofia deste músculo foram submetidas a injeções de 90U de toxina abobotulínica por lado, respeitando-se a zona de segurança preconizada na literatura, e seguidas por 24 semanas.
RESULTADOS: Calculando-se o coeficiente entre a medida do terço médio e inferior facial, obtido em fotografias de distância e posicionamento padronizados, observou-se o aumento do coeficiente após duas semanas (p=0,005) e 12 semanas (p=0,001). A progressão da redução foi de 3,94%, 5,26%, 11,99% e 6,51% (2, 4, 12 e 24 semanas, respectivamente). Das pacientes que apresentavam bruxismo, 100% relataram melhora. Os efeitos adversos observados foram fadiga mastigatória, limitação e assimetria do sorriso.
CONCLUSÕES: O uso de toxina abobotulínica mostrou-se eficaz no tratamento da hipertrofia do masseter em brasileiras e apresentou ápice de afinamento facial em 12 semanas, resultado consistente com a literatura. A incidência de limitação do sorriso foi superior àquela relatada anteriormente e pode dever-se à disseminação da toxina ao músculo risório. Apesar dos efeitos adversos,80% das pacientes repetiriam o tratamento.

Palavras-chave: Face; Músculo masseter; Toxinas botulínicas tipo A

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações