Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

31

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

31

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 90 Número 1




Voltar ao sumário

 

Dermatopatologia

Nevos de Spitz na forma histopatológica clássica: cordeiro em pele de lobo*

Spitz nevi in the classic histopathological pattern - lamb in wolf's clothing*


Gustavo Costa Verardino; Mayra Carrijo Rochael

Universidade Federal Fluminense (UFF) - Niterói (RJ), Brasil

Recebido em 07.12.2013.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 10.01.2014.
Conflito de Interesses: Nenhum
Suporte Financeiro: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES
Como citar este artigo: Verardino GC, Rochael MC. Nevos de Spitz na forma histopatológica clássica: cordeiro em pele de lobo. An Bras Dermatol. 2015;90(1):91-5.

Correspondência:

Gustavo Costa Verardino
Rua Marques do Paraná, 303 - Centro
24033-900 - Niterói - RJ Brasil
E-mail: gustavo_verardino@hotmail.com

 

Resumo

O nevo de Spitz é lesão melanocítica benigna, sendo um dos principais diagnósticos diferenciais do melanoma. Foi realizado estudo descritivo e retrospectivo das peças cirúrgicas de pacientes com diagnóstico de nevo de Spitz de duas instituições de Niterói (RJ), num total de 32 casos. O subtipo histopatológico mais frequente foi o composto, com 19 casos (60%), com predomínio de células epitelioides (17 casos - 53%). A disseminação pagetoide foi observada em 21 casos (68%). A maturação dos melanócitos esteve presente em 13 casos (81%). Corpos de Kamino foram encontrados em oito casos (25%). Atipias de melanócitos estiveram presentes em 18 casos (56%). Mitoses foram observadas em 11 casos (34%). O conhecimento detalhado da forma clássica dos nevos de Spitz é fundamental para o diagnóstico diferencial com o melanoma, reforçando que nenhum critério isolado é definitivo no diagnóstico diferencial entre nevo de Spitz e melanoma.

Palavras-chave: Nevo de células epitelioides e fusiformes; Nevos e melanomas; Patologia

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações