Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

32

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

32

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 90 Número 1




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Perfil clínico e demográfico da cromoblastomicose em serviço de referência no centro-oeste do estado de São Paulo, Brasil*

Clinical and demographic profile of chromoblastomycosis in a referral service in the midwest of São Paulo state (Brazil)*


Gabriela Franco Marques1; Jaison Antônio Barreto1; Paula Yoshiko Masuda1; Patrick Alexander Wachholz2; Juliana Martins Prazeres Sousa1

1. Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL) - Bauru (SP), Brasil
2.Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) - Botucatu (SP), Brasil

Recebido em 06.11.2013.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 28.11.2013.
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Marques GF, Barreto JA, Masuda PY, Wachholz PA, Sousa JMP. Perfil clínico e demográfico da cromoblastomicose em serviço de referência no centro-oeste do estado de São Paulo, Brasil. An Bras Dermatol. 2015;90(1):143-5.

Correspondência:

Gabriela Franco Marques
Rua Alves Guimarães 518 ap 136 - Pinheiros
05419-000 - São Paulo - SP Brasil
E-mail:gabriela_franco_@hotmail.com

 

Resumo

A cromoblastomicose é uma das micoses profundas mais comuns na população rural. Estudo com delineamento transversal, retrospectivo e descritivo dos casos de cromoblastomicose em período de 20 anos identificou maior prevalência em homens, brancos, trabalhadores rurais, procedentes de outros estados, com idade média de 59.69 (±12.95) anos. A mediana entre o aparecimento da lesão até o diagnóstico foi de 156 meses. Houve predomínio de lesões em membros inferiores; 34% relataram trauma prévio. Os sintomas associados foram prurido, dor e queimação. O exame micológico foi positivo em 91% dos casos, sendo os fungos do complexo Fonsecaea pedrosoi os agentes etiológicos prevalentes.

Palavras-chave: Cromoblastomicose; Epidemiologia; Fungos; Micoses

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações