Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 75 Número 3




Voltar ao sumário

 

Investigação

Estudo de associação entre antígenos HLA e reação hansênica tipo 1 ulcerada

Study of the association of HLA antigens and ulcerated type I leprotic reaction


ELAINE VALIM CAMARINHA MARCOS1, FABIANA COVOLO DE SOUZA2, SOMEI URA3, DILTOR VLADIMIR A. OPROMOLLA4

1Pesquisador Científico I, Equipe Técnica de Imunologia.
2Aprimoranda PAP/FUNDAP, Equipe Técnica de Imunologia.
3Pesquisador Científico IV, Equipe Técnica Clínica e Terapêutica.
4Diretor, Divisão de Pesquisa e Ensino.

Recebido em 26.7.1999. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 10.4.2000. Trabalho realizado no Instituto Lauro de Sousa Lima.

Correspondência:
Elaine Valim Camarinha Marcos Caixa Postal 62 Bauru SP 17001-970

 

Resumo

*Fundamentos:* Embora existam associações importantes entre antígenos HLA e várias doenças, os mecanismos de suscetibilidade permanecem obscuros e há evidências de que não esteja envolvido o mesmo loco gênico e nem seja o mesmo mecanismo que atue nas diversas doenças. Estudos de associação com pacientes que apresentam reações hansênicas, em especial naqueles com reações hansênicas tipo 1 ulcerada, não foram realizados até hoje. *Objetivos:* Investigar uma possível associação entre antígenos HLA de classe II e reação hansênica tipo 1 ulcerada. *Casuística e métodos:* Antígenos HLA-A, B, DR e DQ foram determinados em 12 pacientes hansenianos caucasóides, sendo 11 com hanseníase tuberculóide reacional (MHTR) e um com hanseníase dimorfa reacional (MHDR). O grupo controle foi constituído por amostra da população caucasóide do Estado de São Paulo. *Resultados:* A comparação das freqüências dos antígenos HLA entre pacientes e grupos controle não evidenciou nenhum tipo de associação. Entretanto, foi observado aumento significante na freqüência do antígeno HLA-DR2 (63,6 vs 19%, P<0,05). *Conclusões:* Os resultados obtidos não mostraram qualquer tipo de associação entre antígenos HLA e reação hansênica tipo 1 ulcerada, mas sugerem uma função dos genes do complexo HLA no direcionamento da forma clínica da hanseníase.

Palavras-chave: IMUNOGENÉTICA., ANTÍGENOS HLA, HANSENÍASE

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações