Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 75 Número 3




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Variante dérmica do tumor fibrohistiocítico plexiforme

Dermal variant of plexiform fibrohistiocytic tumor


MARCUS AURELHO DE LIMA1, JOSÉ HUMBERTO DA SILVA2, MANOEL PEREIRA DA SILVA NETO3, YVES MIRZA SCAFF CAMARGO4

1Médico Patologista, Laboratório de Anatomia Patológica, Associação de Combate ao Câncer do Brasil Central. Professor Adjunto; Doutor, Disciplina de Endocrinologia, Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro - FMTM.
2Médico Dermatologista; Professor Adjunto, Disciplina de Dermatologia - FMTM.
3Cirurgião-Plástico. Membro Titular, Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
4Médica estagiária, Disciplina de Dermatologia - FMTM.

Recebido em 24.02.1999. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 31.3.2000. Trabalho realizado no Hospital Escola da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro - MG.

Correspondência:
Marcus Aurelho de Lima Rua Getúlio Guaritá, 130 Uberaba MG 38025-440 "E-mail":lima@mednet.com.br

 

Resumo

Os autores tiveram a oportunidade de examinar paciente portadora da variante dérmica do tumor fibrohistiocítico plexiforme (TFP ) localizado na região cervical posterior de adolescente de 15 anos de idade. Justifica-se este relato não somente por sua raridade, como também pelo fato desta variante ter sido descrita recentemente, necessitando de estudos adicionais para o seu melhor conhecimento do ponto de vista biológico. O diagnóstico foi baseado nos achados clínicos, no aspecto morfológico e no estudo imuno-histoquímico. O presente relato expande o espectro das apresentações histológicas do TFP , por descrever uma lesão exclusivamente dérmica, e também amplia o diagnóstico diferencial das lesões plexiformes. Em virtude do potencial metastático e da elevada taxa de recidiva local (40%), optamos pela ressecção total do tumor com ampliação das margens cirúrgicas, não parecendo apropriado submeter a paciente a terapia adjuvante.

Palavras-chave: TUMOR FIBROHISTIOCÍTICO PLEXIFORME, IMUNO-HISTOQUÍMICA., DERME

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações