Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

14

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

14

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 90 Número 3 S1




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Glomangioma segmentar do tipo II - Relato de caso*

Type 2 segmental glomangioma - Case report*


Camila Raposo Cabral; Jayme de Oliveira Filho; Julliene Lika Matsumoto; Stela Cignachi; Ana Carolina Franco Tebet; Kássila da Rosa Nasser

Universidade de Santo Amaro (Unisa) - Santo Amaro (SP), Brasil

Recebido em 25.01.3013.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 06.03.2014.
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
How to cite this article: Cabral CR , Oliveira Filho J, Matsumoto JL, Cignachi S , Tebet ACF, Nasser KR. Type 2 segmental glomangioma: case report. . An Bras Dermatol. 2015;90(3 Supl 1):S6-8.

Correspondência:

Camila Raposo Cabral
Rua Professor Enéas de Siqueira Neto, 340
04829-300 - São Paulo - SP Brasil
E-mail: camcabral@yahoo.com.br

 

Resumo

Tumores glômicos são originários de células musculares modificadas perivasculares. Entre os tumores glômicos, o solitário é o mais comum. Existe uma variante múltipla, que pode estar associada à herança genética dominante. Relatamos paciente com lesões hemangiomatosas em calcâneo e punho desde o nascimento. Em seis anos, houve progressão para o corpo. Os glomangiomas múltiplos são assintomáticos e comuns na infância. Podem ser confundidos com outras malformações vasculares. O diagnóstico histopatológico é fundamental. O caso apresenta manifestação segmentar do tipo 2, explicada pela mutação genética que leva à perda da heterozigosidade. Com o crescimento, o indivíduo pode ter disseminação das lesões devido à presença da mutação em partes distantes da pele. Existem poucos relatos na literatura. A conduta é conservadora.

Palavras-chave: Anormalidades congênitas; Classificação; Classificação Internacional de Doenças; Malformações vasculares; Tumor glômico

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações