Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 90 Número 4




Voltar ao sumário

 

Imagens em Dermatologia Tropical

Doença de Jorge Lobo*

Jorge Lobo's disease*


Kalline Andrade de Carvalho; Marcos César Floriano; Milvia Maria Simões e Silva Enokihara; Marta Regina Machado Mascarenhas

Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - São Paulo (SP), Brasil

Recebido em 16.10.2013.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 25.06.2014.
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Carvalho KA, Floriano MC, Enokihara MMSS, Mascarenhas MRM. Doença de Jorge Lobo. An Bras Dermatol. 2015;90(4):586-8.

Correspondência:

Kalline Andrade de Carvalho
Rua Borges Lagoa, 508 Vila Clementino
04038-000 São Paulo-SP, Brazil
E-mail: kalline.carvalho@hotmail.com

 

Resumo

A doença de Jorge Lobo é uma micose cutânea rara, crônica e granulomatosa, típica de regiões tropicais e subtropicais, causada pela implantação traumática do fungo Lacazia loboi na pele e no subcutâneo. Foi descrita pela primeira vez em 1931, por Jorge Lobo, em Recife (PE), Brasil. É frequente nas Américas do Sul e Central, predominando na região Amazônica. Relataremos um caso da doença de Jorge Lobo, encaminhado inicialmente como paracoccidioidomicose, com ênfase nos aspectos clínicos e diagnósticos da doença.

Palavras-chave: Blastomicose; Lacazia; Lobomicose

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações