Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

25

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

25

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 90 Número 6




Voltar ao sumário

 

Investigação

Lúpus eritematoso sistêmico e fenômeno de Raynaud*

Systemic lupus erythematosus and Raynaud's phenomenon*


Flavia Emilie Heimovski; Juliana A. Simioni; Thelma Larocca Skare

Faculdade Evangélica do Paraná (Fepar) - Curitiba (PR), Brasil

Recebido em 26.07.2014
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 17.02.2015
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Heimovski FE, Simioni JA, Skare TL. Lúpus eritematoso sistêmico e fenômeno de Raynaud. An Bras Dermatol. 2015;90(6):837-40.

Correspondência:

Thelma Larocca Skare
Alameda Augusto Stellfeld, 1908 Bigorrilho
80730-150 - Curitiba - PR Brasil
E-mail: tskare@onda.com.br

 

Resumo

FUNDAMENTOS: Pacientes com lúpus eritematoso sistêmico parecem pertencer a diferentes subgrupos clínicos e sorológicos da doença. Existe influência genética no aparecimento desses subgrupos.
OBJETIVO: Verificar se pacientes brasileiros com lúpus eritematoso sistêmico e fenômeno de Raynaud diferem daqueles sem este achado.
MÉTODO: Este é um estudo retrospectivo de 373 prontuários de pacientes com lúpus eritematoso sistêmico, no qual foram levantados dados demográficos, clínicos e sorológicos para uma análise comparativa de indivíduos com e sem fenômeno de Raynaud.
RESULTADOS: Encontrou-se associação positiva do fenômeno de Raynaud com a idade ao diagnóstico (p = 0,02) e com a presença de anticorpos anti-Sm (p = 0,01) e anti-RNP (p < 0,0001). Houve associação negativa do fenômeno de Raynaud com hemólise (p = 0,01), serosite (p = 0,01), glomerulonefrite (p = 0,0004) e anticorpos aCl IgM (p = 0,004).
CONCLUSÃO: Pacientes com fenômeno de Raynaud parecem pertencer a um subgrupo do lúpus eritematoso sistêmico cujo espectro de manifestações clínicas se encontra em um polo mais benigno da doença.

Palavras-chave: Autoanticorpos; Doença de Raynaud; Lúpus eritematoso sistêmico; Prognóstico

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações