Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

31

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

31

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 90 Número 6




Voltar ao sumário

 

Revisão

Adenosina: um mediador endógeno na patogênese da psoríase*

Adenosine: an endogenous mediator in the pathogenesis of psoriasis*


Moira Festugato

Consultório particular - Caxias do Sul (RS), Brasil

Recebido em 10.05.2014
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 11.08.2014
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Festugato M. Adenosina: um mediador endógeno na patogênese da psoríase. An Bras Dermatol. 2015;90(6):862-7.

Correspondência:

Moira Festugato
Rua Visconde de Pelotas, 603. Sala 801 - Centro
95020-180 - Caxias do Sul - RS Brasil
Email: moira.festugato@terra.com.br

 

Resumo

Reações inflamatórias e imunológicas protegem-nos por ocasião da invasão de microorganismos e eliminam "detritos" dos locais lesionados, mas também podem ser responsáveis por significante dano tecidual. A adenosina, como um nucleosídeo purina produzido em locais inflamados ou lesionados, cumpre seu papel de limitar o dano tecidual. Muito embora possa ter um efeito pleiotrópico, em que sinaliza um estado próinflamatório em determinadas situações, pode-se considerá-la um potente mediador antiinflamatório. Os efeitos da adenosina, agindo através de seus receptores nas células T, nos mastócitos e macrófagos, nas células endoteliais, nos neutrófilos e nas células dendríticas, no modo como sinaliza TNF-alfa e citocinas, mostram que este mediador tem um papel central na patogênese da psoríase. O modo pelo qual a adenosina atua na psoríase será revisado neste estudo.

Palavras-chave: Adenosina; AMP Cíclico; Cafeína; Células Th17; Metotrexato; Psoríase

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações