Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

34

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

34

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 90 Número 6




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Doenças Sexualmente Transmissíveis - do HPV ao HTLV: perfil clínico e fatores associados*

Sexually Transmitted Diseases: from HPV to HTLV - clinical profile and associated factors*


Fabíola Suris da Silveira1,2; Renan Rangel Bonamigo1,3

1. Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) - Porto Alegre (RS), Brasil
2. Hospital Nossa Senhora da Conceição - Porto Alegre (RS), Brasil
3. Ambulatório de Dermatologia Sanitária da Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul - Porto Alegre (RS), Brasil

Recebido em 28.04.2014
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 19.04.2014
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Silveira FS, Bonamigo RR. Doenças Sexualmente Transmissíveis - Do HPV ao HTLV: perfil clínico e fatores associados. An Bras Dermatol. 2015; 90(6):913-6.

Correspondência:

Fabíola Suris da Silveira
Av Joao Pessoa, 1327 Farroupilha
90040001 - Porto Alegre - RS Brasil
E-mail: fabisuris@hotmail.com

 

Resumo

O Ministério da Saúde (Brasil) recomenda exames sorológicos aos usuários com sintomas de Doenças Sexualmente Transmissíveis. No entanto, faltam dados para afirmar a necessidade de testagem para vírus linfotrópico para células T humanas 1 e 2 nesses pacientes. Foi realizado estudo transversal com 120 pacientes atendidos no setor de Doenças Sexualmente Transmissíveis do Ambulatório de Dermatologia Sanitária do Rio Grande do Sul. Nenhum paciente apresentou sorologia reagente para vírus linfotrópico para células T humanas 1 e 2. Verrugas virais foram o diagnóstico mais frequente. O uso de drogas confirma-se como fator de risco e a alta escolaridade como fator de proteção para Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Palavras-chave: Doenças sexualmente transmissíveis; Fatores de risco; Vírus 1 Linfotrópico T Humano; Vírus 2 Linfotrópico T Humano

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações