Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

37

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

37

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 91 Número 5




Voltar ao sumário

 

Educação médica continuada

Inflamassomas e a dermatologia*

Inflammasomes and dermatology*


Daniel Coelho de Sá; Cyro Festa Neto

Universidade de São Paulo (USP) – São Paulo (SP), Brasil

Suporte financeiro: nenhum
Conflito de interesses: nenhum
Recebido em 12.01.2016
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 23.02.2016
Como citar este artigo: Sá DC, Festa Neto C. Inflamassomas e a dermatologia. An Bras Dermatol. 2016;91(5):566-78.

Correspondência:

Daniel Coelho de Sá
Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 255 Cerqueira César
05403-000 - São Paulo - SP Brasil
E-mail: sacoelho31@gmail.com

 

Resumo

Os inflamassomas são complexos multiproteicos intracelulares, constituintes do sistema imune inato. Desde sua descrição, distúrbios do inflamassoma têm sido implicados em diversas patologias. As doenças autoinflamatórias referem-se a desordens em que fatores locais levam à ativação de células da imunidade inata, acarretando dano tecidual, na ausência de autoantígenos e de autoanticorpos. As manifestações dermatológicas são um ponto relevante das inflamassomopatias monogênicas, como as síndromes periódicas associadas a criopirinas (CAPS), febre familiar do Mediterrâneo, síndrome de Schnitzler, síndrome de Hiper-IgD (HIDS), síndrome PAPA e deficiência do antagonista do receptor de IL-1 (DIRA). Outras patologias têm tido seu entendimento revisto nos últimos anos, como a psoríase, em cuja fisiopatogenia identifica-se participação da imunidade inata e adaptativa. O envolvimento do inflamassoma abrange ainda resposta a diversas infecções, neoplasias, como o melanoma, doenças autoimunes, como vitiligo e lúpus eritematoso, eczemas atópico e de contato, acne, hidradenite supurativa, entre outros. A inibição da via do inflamassoma pode ser um alvo para terapias futuras a exemplo do que já ocorre no manejo das CAPS, em que a introdução dos inibidores da IL-1 revolucionou o tratamento. Apresenta-se, nesse trabalho, uma revisão da literatura sobre o papel do inflamassoma nas doenças dermatológicas.

Palavras-chave: Imunidade Inata; Interleucina-1beta; Caspase 1; Síndrome de Sweet; Síndromes Periódicas Associadas à Criopirina

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações