Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

32

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

32

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 91 Número 6




Voltar ao sumário

 

Dermatopatologia

Carcinoma de ducto écrino escamoide*

Squamoid eccrine ductal carcinoma*


Maria Isabel Ramos Saraiva1; Marcella Amaral Horta Barbosa Vieira2; Larissa Karine Leite Portocarrero1; Rafael Cavanellas Fraga3; Priscila Kakizaki4; Neusa Yuriko Sakai Valente1,4

1. Universidade de São Paulo (USP) – São Paulo (SP), Brasil
2. Clínica privada – Juiz de Fora (MG), Brasil
3. Clínica privada – Vitória (ES), Brasil
4. Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE) de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil

Recebido em 30.04.2015
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 29.05.2015
Suporte financeiro: nenhum
Conflito de interesses: nenhum
Como citar este artigo: Saraiva MIR, Vieira MAHB, Portocarrero LKL, Fraga RC, Kakizaki P, Valente NYS. Carcinoma de ducto écrino escamoide. An Bras Dermatol. 2016;91(6):799-804.

Correspondência:

Maria Isabel Ramos Saraiva
981, Ibirapuera Av. - Indianópolis
04028-000 - São Paulo - SP Brazil
Email: isabelsaraivadermato@gmail.com

 

Resumo

O carcinoma de ducto écrino escamoide é um subtipo de carcinoma écrino, do qual foram relatados até o momento doze casos. É tumor raro e de difícil diagnóstico histopatológico. Quase metade dos casos são diagnosticados como carcinoma de células escamosas pela biópsia incisional. Relatamos o décimo terceiro caso de carcinoma de ducto écrino escamoide. Paciente feminina, de 72 anos, apresentava por seis meses pápula eritematosa, queratósica e ulcerada no dorso nasal. Biópsia incisional sugeriu carcinoma de ducto écrino escamoide. Depois da exérese, a histopatologia revelou margens comprometidas. Foi então realizada ampliação cirúrgica e enxertia, mas novamente o resultado foi de margens comprometidas. A paciente foi então encaminhada para radioterapia. Depois de 25 sessões, a lesão reapareceu. Em nova intervenção cirúrgica, a biópsia de congelação intraoperatória evidenciou margens cirúrgicas livres, entretanto o produto da ressecção revelou persistência da lesão. A distinção entre carcinoma de ducto écrino escamoide e carcinoma de células escamosas é importante em razão da natureza mais agressiva do primeiro, que exige cirurgia com margens amplas para evitar recorrência.

Palavras-chave: Carcinoma; Neoplasias de anexos e de apêndices cutâneos; Recidiva local de neoplasia

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações